O que você achou desta postagem?

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Motociclistas



MOTOCICLISTAS







Motorcycle #1
Motocicleta No. 1






Motorcycle #2
Motocicleta No. 2






Motorcycle #3
Motocicleta No. 3






Motorcycle #4
Motocicleta No. 4






Motorcycle #5
Motocicleta No. 5






Meu objetivo é ter a minha motocicleta e passear pelas regiões montanhosas onde estão as cidades coloniais aqui perto da capital. Quero ainda visitar a região da Represa de Furnas, a maior do Estado de Minas Gerais, que é chamada de "Mar de Minas" porque o Estado de Minas Gerais é interior, não tem acesso ao Oceano Atlântico, portanto, não tem litoral. Tendo a minha moto iria ainda para Guarapari e Cabo Frio, que são as praias no Estado do Espírito Santo e do Estado do Rio de Janeiro mais visitadas por mineiros.


Quem nasce em Minas Gerais é denominado mineiro. Minas Gerais, mineiro... tudo isso deriva do fato de que aqui é uma região rica em minérios, ainda é desde o século XVIII, só que naquela época a extração principal era de ouro e atualmente é de minério de ferro.






Motorcycle #6
Motocicleta No. 6






Motorcycle #7
Motocicleta No. 7






Motorcycle #8
Motocicleta No. 8






Motorcycle #9
Motocicleta No. 9






Motorcycle #10
Motocicleta No. 10






Como você pode notar meu objetivo não é rodar na cidade mas sim utilizar a moto para viajar nos lugares onde eu possa apreciar a natureza. Poder estacionar a moto próximo à uma cachoeira e algum lago e ficar parado deixando a água cair nas minhas costas ou dar um mergulho. Poder ir a locais de difícil acesso e que, por isso, estão mais preservados, como muitos povoados que ainda guardam em seu povo um modo simples e verdadeiro de viver, sem todo esse consumismo e busca por status social presentes nos centros urbanos maiores.


Quero ir de moto até o Pico da Bandeira que é a montanha mais alta da região Sudeste, a terceira montanha mais alta do Brasil, situada cerca de uns 400 quilômetros à leste da capital. Lá tem toda uma estrutura para recepcionar turistas tais como pousadas, restaurantes etc. Pretendo ir de moto também visitar as várias cavernas que existem no entorno da capital, entrar lá dentro e apreciar a exuberância dos salões formados a milhões de anos. Na cidade eu quero ter a moto como uma facilidade para ir até a faculdade, sim, pretendo fazer mestrado em 2016 e a instituição de ensino por mim escolhida fica a apenas uns três quilômetros da minha residência.






Motorcycle #11
Motocicleta No. 11






Motorcycle #12
Motocicleta No. 12






Motorcycle #13
Motocicleta No. 13






Motorcycle #14
Motocicleta No. 14






Motorcycle #15
Motocicleta No. 15






Todas essas expectativas de passear e ir à escola dependendo de ter uma moto. Como não sou rico eu escolhi fazer pagamentos parcelados em um consórcio e esses pagamentos foram feitos durante cinco anos. O dinheiro é suficiente para adquirir uma moto de 300cc, uma moto Honda CB 300R. Sou apaixonado pela CB 300R, passei aperto para juntar o dinheiro mas valeu a pena.


E depois de ter todo o dinheiro para comprar a moto eu decidi aprender a pilotar, eu não sabia absolutamente nada, nem ligar a ignição! Fiz a inscrição em uma motoescola do meu bairro e depois de cinquenta aulas de direção na motopista eu fui orientado à fazer a primeira prova no órgão público que concede a carteira de habilitação. Fui de certa forma um tanto quanto temeroso, você sabe, é um momento difícil, afinal é um teste.






Motorcycle #16
Motocicleta No. 16






Motorcycle #17
Motocicleta No. 17






Motorcycle #18
Motocicleta No. 18






Motorcycle #19
Motocicleta No. 19






Motorcycle #20
Motocicleta No. 20






O staff da motoescola me deu todas as orientações mas quando cheguei no local da prova de direção do DETRAN eu fiquei me sentindo muito desconfortável. Havia uns 300 candidatos à habilitação de motocicleta e a organização era péssima, ficava todo mundo amontoado, falando alto, apertando-se uns aos outros, em pé, sem a moto, só em pé na parte lateral da pista.


Fiquei naquela multidão e cada vez mais me sentindo descontrolado emocionalmente e então o fiscal chamou os candidatos pelo nome e isso significava que devíamos nos dirigir para o interior da pista e aguardar para receber a motocicleta e iniciar o teste dirigindo por todo o percurso. Mas os candidatos não eram só da minha autoescola, eram candidatos da cidade inteira! Eu procurei identificar quem era aluno da minha autoescola e fiquei próximo deles.






Motorcycle #21
Motocicleta No. 21






Motorcycle #22
Motocicleta No. 22






Motorcycle #23
Motocicleta No. 23






Motorcycle #24
Motocicleta No. 24






Motorcycle #25
Motocicleta No. 25






Percebi nesse momento que cada motoescola levou apenas uma moto e esta moto é que seria pilotada por cada aluno daquela motoescola, isso significa que o primeiro que completasse o percurso do teste deveria entregar a moto para o segundo candidato (da sua autoescola) e assim por diante. Eu decidi não ser o primeiro e aproveitei para ficar observando o que o primeiro aluno se saia no teste de percurso de pista.


Ele foi até bem e eu procurei me acalmar percebendo que se ele tinha conseguido, não sei se passar, mas conseguido fazer o percurso de pista, eu também poderia conseguir. Ele fez o teste e chegou no ponto que nós outros alunos daquela motoescola estávamos e passou a moto para um outro cara, até me perguntaram "Quer ir?" mas eu recusei. Eu nesse momento queria tudo menos fazer o teste! Estava muito muito muito desequilibrado emocionalmente.






Motorcycle #26
Motocicleta No. 26






Motorcycle #27
Motocicleta No. 27






Motorcycle #28
Motocicleta No. 28






Motorcycle #29
Motocicleta No. 29






Motorcycle #30
Motocicleta No. 30






Após o término do segundo candidato em seu teste de pista a moto chegou próximo à mim e eu decidi pegar a moto e fazer logo o teste porque quanto mais eu esperasse mais nervoso eu iria ficar. Sentei na moto e fui empurrando ela, a moto desligada, eu com capacete na mão e um papel de autorização que o DETRAN fornece na minha mão. Como tinha que segurar o guidão o papel ficou preso entre a palma da minha mão e o guidão. Fui patinando que nem um pato, em fila indiana atrás de outra moto.


Mas não era uma fila indiana única, havia ao meu lado mais unas quatro filas. Eu empurrando a moto e os outros candidatos à frente, ao lado e atrás de mim fazendo omesmo, até chear num ponto que afunilava e um fiscal chegou e mandou por o capacete na cabeça e ligar a moto no neutro.






Motorcycle #31
Motocicleta No. 31






Motorcycle #32
Motocicleta No. 32






Motorcycle #33
Motocicleta No. 33






Motorcycle #34
Motocicleta No. 34






Motorcycle #35
Motocicleta No. 35






Eu uso óculos de grau e para por o capacete eu me atrapalhei todo, quase deixei a moto tombar e se tivesse acontecido isso eu derrubava todos os outros candidatos que estivessem do lado que a moto caísse. Liguei a moto no neutro não sei como porque me deu o tal do "branco", a mente vira uma tábula rasa com o nervosismo, mas demorei a fazer a operação, mas fiz, a luz no painel da moto ficou verde. Conferi se a luz do farol frontal da moto estava acesa, regulei os retrovisores, abaixei o visor do capacete, tudo isso ações que a gente aprende na motoescola, eu conseguia lembrar e ir fazendo uma ação a uma.


O fiscal que me autorizou ligar a moto no neutro havia pego o papel de autorização da minha mãe e preso na tampa de gasolina da moto e quando cheguei na posição de início do teste, aí era só eu, os demais candidatos porque nesse local era estreito tinham que ficar atrás de mim. O fiscal desse ponto de início de prova me cumprimentou educadamente e disse que eu podia limpar o visor do capacete. Macacos me mordam, eu não enxergava nada, eu respirava tão acelerado que a umidade tornou o visor opaco, eu não enxergava nada. A Moto estava no neutro e aí eu soltei ambas mãos e procurei um papel higiênico no bolso de trás da calça e limpei o visor.






Motorcycle #36
Motocicleta No. 36






Motorcycle #37
Motocicleta No. 37






Motorcycle #38
Motocicleta No. 38






Motorcycle #39
Motocicleta No. 39






Motorcycle #40
Motocicleta No. 40






Só que nessa operação de limpar visor do capacete eu segurava a fila, eu sabia que havia uma centena ou mais de candidatos atrás de mim e isso me deixava mais nervoso eu estar ali parado tomando tempo limpando o visor. Mas limpei e o fiscal disse que eu podia ligar a moto na marcha apropriada e seguir. Para eu colocar na marcha, a operação é só empurrar o pé para baixo, demorei uma eternidade. Fiquei com medo de não saber empurrar para baixo! Eu olhava o mostrador da moto para ver se realmente tinha entrada na marcha e só quando eu realmente me senti confiante que tinha engrenado a moto eu olhei para a frente e vi a pista escancarada à minha frente esperando por mim.


Eu sinceramente queria não ter que acelerar e partir mas quanto mais eu ficava parado atrapalhando o povo mais nervoso eu ficava. Fiz a liberação da alavanca aos poucos e a moto começou a mover, dei seta para a direita e entrei na pista. Eu tinha demorado tanto a sair que na parte chamada oito não tinha ninguém, aliás eu demorei tanto que durante minha prova nunca teve ninguém dirigindo na minha frente. Quando tem outro candidato na frente da gente o teste fica mais complicado de fazer, sabe disso?






Motorcycle #41
Motocicleta No. 41






Motorcycle #42
Motocicleta No. 42






Motorcycle #43
Motocicleta No. 43






Motorcycle #44
Motocicleta No. 44






Motorcycle #45
Motocicleta No. 45






Fui pilotanto tremulamente e devagar e isso não é nada bom, mas se eu fosse mais rápido com certeza eu faria merda. Quando cheguei perto do primeiro fiscal, ficam vários no trajeto da pista, ele acenou e eu dei seta para a direita e parei direitinho perto dele. Ele pegou o meu papel que estava preso na boca do tanque de gasolina e marcou algo e me mandou seguir. Dei seta para a esquerda, sai devagar e continuei pilotando até o segundo fiscal me parar.


O segundo fiscal, e o terceiro, e o quarto me pararam, pegaram o papel e anotavam algo. Inclusive devem ter notado que eu pus o pé direito no chão em um momento que eu senti que a moto ia cair para a direita, com certeza eles viram isso e anotaram no papel. Pelo menos eu continuei o teste. Tem candidatos que são tão ruins de direção que o fiscal manda parar e tirar a moto da pista, pelo menos não fuim um destes.






Motorcycle #46
Motocicleta No. 46






Motorcycle #47
Motocicleta No. 47






Motorcycle #48
Motocicleta No. 48






Motorcycle #49
Motocicleta No. 49






Motorcycle #50






Os fiscais que me paravam eram educados, um deles até me perguntou se eu estava nervoso e eu respondi "Estou muito nervoso!" e eu até senti simpatia por ele e cheguei a perguntar para ele "Eu já estou reprovado?" e ele muito educadamente me disse que ele não estava autorizado a responder a esta questão. Tem um ditado popular que diz quem cala consente, e não deu outra. Fui reprovado. Fiz 14 pontos, o máximo para passar seriam 4. Fiquei arrasado quando terminou o teste para todo mundo e dão o resultado para a gente. No meu papel, aquele que ficava preso no tanque de gasolina da moto, estava escrito um belo reprovado.


O instrutor da minha autoescola me perguntou o que tinha acontecido comigo e eu só respondi "Não sei pilotar, foi isso o que aconteceu!". Bom, na pista da motoescola eu sei pilotar mas na pista de teste do DETRAN eu não sei pilotar, erro tudo. E o instrutor me disse "Faz mais umas dez aulas!" e eu fiz, no total fiz 50 aulas, e depois fui novamente fazer nova prova no DETRAN e fui novamente reprovado!






Foto do Autor do blog - 1
O autor do blog em aula na motopista - 1






Foto do Autor do blog - 2
O autor do blog em aula na motopista - 2






Foto do Autor do blog - 3
O autor do blog em aula na motopista - 3






Foto do Autor do blog - 4
O autor do blog em aula na motopista - 4






Foto do Autor do blog - 5
O autor do blog em aula na motopista - 5






Foto do Autor do blog - 6
O autor do blog em aula na motopista - 6






Nenhum comentário:

Postar um comentário