sábado, 2 de novembro de 2013

Viciado em farda

VICIADO EM FARDA



Há no Brasil um entendimento que não se deve discriminar nenhum homem gay ou bissexual de ingressar e permanecer nas Forças Armadas, sendo que normas disciplinares rígidas regem igualmente tanto heterossexuais quanto homossexuais, bem como os transgêneros. Infelizmente as Forças Armadas não reconhecem o relacionamento estável entre pessoas do mesmo sexo e para que isso aconteça de fato o casal deve recorrer ao Poder Judiciário. Na lei do Brasil há a união civil e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, de modo que as Forças Armadas acabam sendo coagidas e reparam a desconformidade.


Farda #1
Farda 1


Farda #2
Farda 2


Farda #3
Farda 3


Farda #4
Farda 4


Farda #5
Farda 5


Enquanto não exista nenhuma determinação legal que impeça ou constranja gay de trabalhar nas Forças Armadas a realidade é que há uma rejeição para quem pratique a sodomia, ou seja, sejo gay. Se o soldado ou oficial for homossexual ou bissexual e não dê conhecimento de prática de sexo gay, tudo bem, mas se vier ao conhecimento de seus pares que pratica sexo gay, ele logo será rejeitado. Ser gay não tem nada de mais mas praticar sexo gay é "crime".


Vídeo 1 - Parte 1 - 5 min 4 s - 21,3 Mb


Vídeo 1 - Parte 2 - 4 min 32 s - 19,1 Mb


Farda #6
Farda 6


Farda #7
Farda 7


Farda #8
Farda 8


Farda #9
Farda 9


Farda #10
Farda 10


É curioso o fato de que no exército matar o inimigo não é pecado mas um soldado fazer sexo com outro soldado é pecado. Há uma ideia generalizada que um soldado heterossexual que esteja no exército não deve dormir no mesmo alojamento que um soldado gay dorme. Não deve tomar banho no mesmo banheiro que um soldado gay esteja tomando banho. A explicação é que "não é fácil" para um soldado heterossexual dormir ou tomar banho junto a um soldado gay porque o soldado gay nestes momentos o vai estar desejando.


Vídeo 2 - 2 min 42 s - 11,4 Mb


Farda #11
Farda 11


Farda #12
Farda 12


Farda #13
Farda 13


Farda #14
Farda 14


Farda #15
Farda 15


Como se pode perceber ser gay no exército não é uma boa opção. Não pelas adversidades que possam vir por parte da política da instituição mas das adversidades que podem vir do comportamento dos outros soldados e oficiais. O que acontece é que a instituição militar não pode proibir gays de serem militares mas os próprios soldados e oficiais, ao suspeitarem que um colega é gay, se engajam em achar um meio de investigar e punir o gay. Para isso o recurso usado é tentar descobrir e evidenciar um "ato sexual" por parte do gay. Até mesmo um simples olhar por parte do militar gay pode vir a ser considerado um ato libidinoso que merece punição, até mesmo a corte marcial.


Vídeo 3 - 5 min 36 s - 23,6 Mb


Farda #16
Farda 16


Farda #17
Farda 17


Farda #18
Farda 18


Farda #19
Farda 19


Farda #20
Farda 20


Gays ainda continuam sofrendo embaraços e ofensas nas Forças Armadas, mesmo com as recentes mudanças liberalizadoras. Uma pesquisa em novembro de 2010 com 400 mil militares dos Estados Unidos da América revelou que 70% não querem ter colegas gays na condição "fora do armário". Quando foi procurado o motivo de tal opinião a resposta mais comum foi que achavam que um militar gay não é masculino o suficiente e então o serviço militar não é feito para gays. Outra resposta dada foi que a honra é um ideal muito valioso nas Forças Armadas e gays não tem honra. Dei uma olhada no dicionário e honra significa dignidade, reputação.


Vídeo 4 - 6 min 39 s - 27,8 Mb


Farda #21
Farda 21


Farda #22
Farda 22


Farda #23
Farda 23


Farda #24
Farda 24


Farda #25
Farda 25


Não está disponível a quantificação de agressões físicas e verbais em militares gays do Brasil mas encontrei uma pesquisa de 2002 feita nos Estados Unidos da América com militares na ativa e fora da ativa apontou que os traumas mais comuns que acontecem aos militares gays foram: medo de sofrer retaliação - sofrer algum prejuízo na reputação - sofrer embaraço e constrangimento - receber negação a algum pedido - ser desmentido e não ser acreditado - ser acusado de falta de conhecimento e competência - ser responsabilizado injustamente. E também foi noticiado que há uma grande desconfiança por parte do militar gay que ao revelar ter sofrido abuso físico ou moral não se suceda uma investigação oficial.


Vídeo 5 - Parte 1 - 5 min 0 s - 20,9 Mb


Vídeo 5 - Parte 2 - 4 min 32 s - 19,1 Mb


Farda #26
Farda 26


Farda #27
Farda 27


Farda #28
Farda 28


Farda #29
Farda 29


Farda #30
Farda 30


Nenhum comentário:

Postar um comentário