O que você achou desta postagem?

sábado, 18 de maio de 2013

Cartoon Gay



CARTOON GAY




Não sei porque mas eu me recordei de que convivi com artistas aos quais pude partilhar momentos de sexo e de amor. Nunca fui afeminado e também eles não eram afeminados, acho que isso foi o que mais fez despertar o interesse comum. Eu queria um homem para companhia, eles também.


Cartoon #1      Cartoon #2


Cartoon #3


Cartoon #4          Cartoon #5


Nesta postagem com "cartoons" eu vou aproveitar para falar de alguns artistas plásticos que passaram na minha vida. Dois eram pintores e um deles era gravurista, mas todos conseguiam muito bem serem originais e competentes para criar e mostrar beleza ao mundo. Sim é verdade, eu tenho uma queda por homem sensibilidade artística.


Cartoon #6          Cartoon #7


Cartoon #8


Cartoon #9      Cartoon #10


Em 1986 eu vim morar em Belo Horizonte, cidade a qual não conhecia. A vontade de ter a presença de primos me motivou a mudar mas acabei me desiludindo quanto a importância que meus parentes tinham para mim e decidi ir morar em pensão. Dividia um quarto com mais 2 homens héteros, como eu disse antes, não sou afeminado e eles não souberam que eu era gay. Bem, meses mais tarde acabaram sabendo.


Cartoon #11        Cartoon #12


Cartoon #13


Cartoon #14        Cartoon #15


Como você pode perceber eu não tinha espaço para ser gay. Quando, enfim, eu conheci um gay numa boite eu me senti menos reprimido, afinal podia trocar ideias (e corpo!) com outro homem que também era discreto e que não queria que ninguém mais soubesse desse aspecto particular de necessidades. Para mim era conveniente, para o cara também, então a gente se entendia, e se divertia.


Cartoon #16        Cartoon #17


Cartoon #18


Cartoon #19        Cartoon #20


O nome dele era João Beto e quando fui transar com ele, eu como ativo e ele como passivo, ele me levou para o apartamento dele no bairro do Carmo, zona sul da capital. Ele morara com um irmão um ano mais velho do que ele, mas muito poucas vezes eu encontrei o irmão dele em casa, ele viajava muito. Moravam só os dois, seus pais já haviam morrido faz tempo. João tinha as paredes da sala praticamente cobertas por seus quadros, dois desses quadros eram imensos.


Cartoon #21        Cartoon #22


Cartoon #23


Cartoon #24        Cartoon #25


Ficamos fazendo sexo por mais ou menos 1 ano e depois viramos somente amigos. Nisto aconteceu que eu conheci numa sauna um outro artista plástico, o nome dele era Hegeno. Nesta época Hegeno era um famoso artista, artista consagrado, seus quadros valiam um bom dinheiro. Transei mais algumas vezes e acabou, acabou mais porque ele tinha que ir fazer exposições até mesmo fora do país e eu ficava muito tempo sozinho e isto pesou para o nosso "affair" acabar.


Cartoon #26        Cartoon #27


Cartoon #28


Cartoon #29        Cartoon #30


Em um final de semana o meu "ex", o João, me convidou para visitar a sua nova residência, uma casa em Lagoa Santa. Quando cheguei lá encontrei uma casa de campo, com muros altos cercando o terreno, um amplo jardim bem cuidado, casa revestida de tijolos, muito bonito. Quando entrei na sala o João me mostrou a tela que acabou de pintar, quando ele tirou o pano que encobria o quadro eu vi que ele tinha me pintado. O João tinha feito uma pintura do meu rosto!


Cartoon #31        Cartoon #32


Cartoon #33        Cartoon #34


Eu precisava de um homem para me completar na cama e então eu conheci o Paulo, um pintor, só que atuava mais industrialmente, isto é, ele pintava logomarcas e embalagens. Por exemplo, quando você compra uma lata de leite há um rótulo, este rótulo era feito por um artista plástico. Estou relatando algo que aconteceu na década de 1980 e começo dos anos 1990, portanto, não havia computador e Photoshop etc. Tudo era feito no braço, a chamada xilogravura. Quem fazia era artista plástico, bem diferentemente do que geralmente acontece hoje.


Cartoon #35        Cartoon #36


Cartoon #37        Cartoon #38


O Paulo era também passivo e ele tinha um carinho muito grande por mim, para você ter uma ideia ele e eu íamos para a sacada do apartamento na Avenida Francisco Sales, aquele trecho com muitas árvores nas calçadas e no canteiro central. Nesta hora ele ficava tocando violão, músicas de bossa nova principalmente, era muito romântico. E preparava um frango grelhado para a gente comer enquanto tomávamos cerveja. Tempo bom aquele! Mas teve o mesmo destino, acabamos nosso relacionamento homossexual, fui eu, não ele, que terminou o "affair".


Cartoon #39


Cartoon #40        Cartoon #41


Cartoon #42        Cartoon #43


Morando ainda em pensão no bairro da Savassi, o bairro das butiques e boites da cidade, eu acabei me assumindo como homossexual, não liguei mais para o que os meus colegas de quarto pensavam de mim. Eles me aceitaram, me preocupei demais à toa. E a partir do meu terceiro relacionamento sério, que pode ser entendido relacionamento de namoro, eu passei a ter relacionamentos ocasionais, tipo "fast-foda". Deixei assim de procurar um homem que me completasse, eu queria somente sexo. Estava tudo bem até o dia que minha mãe e irmã resolveram que eu não tinha que morar em pensão, era melhor eu alugar uma casa e ir morar com elas.


Cartoon #44


Cartoon #45        Cartoon #46


Cartoon #47        Cartoon #48


Eu tive que diminuir o ritmo da minha atividade sexual até mesmo porque eu comecei a ter problemas de dinheiro, eu trabalhava para o governo e não ganhava bem, acima da média dos assalariados brasileiros, mas não era aquela maravilha. Ficou bem menor a quantidade de homem para sexo, e nunca mais conheci outro artista plástico. A maioria passivo na cama. Fui dizendo a um e outro que eu queria dar também, alguns aceitavam mas outros iam embora por se sentirem pouco confortáveis em estar com um homem que quer comer e também quer dar.


Cartoon #49        Cartoon #50




Cartoon #51        Cartoon #52


Com o tempo me assumi como gay versátil e tenho ultimamente recebido proposta para ser unicamente passivo. Acontece que no meu meio social tenho contato na maioria com homens casados e homens bissexuais. Não tenho problema algum de ser só passivo, mas comer um cú de vez em quando é bom. O que importa é o prazer, rótulos ficam em segundo plano. E se o homem tem além do pau e do cú uma sensibilidade artística, nossa, eu tendo a querer me apaixonar, sim, como já fiz várias vezes no meu passado.


2 comentários:

  1. nossa q kcts todos sao uma delicias.

    ResponderExcluir
  2. Adoro cartoons gay. Arte gay erótica é algo maravilhoso.

    ResponderExcluir