domingo, 4 de novembro de 2012

Tirando leite do pau

TIRANDO LEITE
DO PAU

Estou ainda sob os efeitos da noite passada, meu pau todo judiado pela boca e pelo cú do Carlos. Essa transa foi dentro do carro dele, numa rua escura e deserta da Cidade Industrial, ele até quis dar a bunda em pé na calçada mas eu quis foder o rabo dele dentro do carro, um sedã Voyage de cor prata, já com alguns anos de uso.


Eu o encontrei num bar, eu estava na minha terceira garrafa de 600ml de cerveja, eu não esperava fazer sexo porque quando eu bebo demais e meu pau fica duro parece que o álcool queima, fica ardendo, chega até a doer. Ele chegou no balcão do bar pra perguntar sobre o menu e ai puxou conversa comigo.


Um moreno claro, 45 anos, fora de forma mas não obeso, não consigo ter atração por cara que engordaram. Eu bêbado fico cheio de charme, não sei de onde "desce" um encanto pessoal em mim, uma vez um cara me disse que eu fico com cara de safado. Então deve ser isso, homem safado fica atraente.


Eu sou na cama liberal, ou seja, sou ativo (top) e passivo (bottom), não necessariamente na ocasião da mesma transa. E falo claramente isso, falei pro Carlos e ele me disse que era passivo. Ficamos conversando e eu falei pra ele que gosto de fazer sexo anal com camisinha, mas ele deveria fazer sexo oral em mim sem eu por camisinha.


Ele concordou. Fechamos a conta no bar, umas 2 e meia da madrugada, ele dirigiu até a região da Cidade Industrial, um bairro na cidade vizinha com muitas indústrias e por isso fica deserto à noite. No trajeto ele disse que tinha gostado de mim, e eu na defensiva disse a ele que eu cobro pra fazer sexo, só disse isso para fazer ele desistir de envolver-se afetivamente comigo.


O Carlos perguntou quanto que eu queria de dinheiro e eu disse "x", quando ele estacionou o carro ele tirou da carteira o dinheiro e me deu, fiquei entusiasmado e começamos a sarrar, beijos, abraços, ele estava de short de algodão e eu de short desse tecido que é feito calção de jogar futebol, só que ele estava de cueca e eu sem cueca.


Meu pinto foi engrossando e eu abaixei o short e falei para o Carlos mamar. Coisa ele fez irrepreensivelmente, eu queria que não tirasse nunca mais aquela boca do meu cacete. Ele tinha se inclinado para abocanhar minha pica, eu sentado no banco de passageiro, de modo que eu consegui enfiar minha mão sob o short dele e enfiar meu dedo no cuzinho dele.


Ele gemeu de prazer, enfiei meu dedo mais fundo, fiquei dando dedada, 1 dedo, 2 dedos. Ele se endireitou no banco do motorista pra olhar o movimento na rua, não tinha ninguém, mesmo assim ele disse que era perigoso, podia aparecer a polícia. Eu disse para ele ficar tranquilo e aproveitei a interrupção para pedir para ele abaixar o short e a cueca.


Ele nem perguntou porquê, eu tinha imaginado lamber e chupar o cú dele. O Carlos teve que ficar de quatro na poltrona do motorista, com a bunda virada para a direção, segurando com as suas duas mãos o encosto, virando um pouco a bunda para o meu lado para eu alcançar o paraíso dele.


Comecei o trabalho no rabo dele com lambidas, passava a língua na parte superior da bunda e ia descendo no rego, roçava o buraco e parava a lambida num trecho depois do cú e antes do saco. Depois da fase inicial passei para forçar o cú dele, empurrando a ponta da língua, ele estava limpo, tinha feito uma excelente higiene, seu doce e apertado botão de rosa estava no ponto certo da colheita.


Meu pau pulsava, duro, quente, querendo entrar nas entranhas dele. Mas eu não me arrisco a enfiar a pica no rabo de um homem quando estou muito excitado, a situação incita a gente a gozar logo. Falei pro Carlos que eu queria que ele fizesse algo para mim, ele se virou e sentou no banco e perguntou o que eu queria.


Carlos, eu quero que você coloque as bolas e o pau pra trás e faça ficar parecendo uma buceta. Ele rapidamente ajeitou o saco e o pau dele, aliás, ele tinha um pau pequeno, que sí ficava mole, e desse modo ficou fácil para ele criar uma bucetinha. Quando o Carlos terminou ele me mostrou e nesse momento é que eu percebi que ele depilava todos os pelos na região do genital.


Ele estava um tanto fora de forma e a sua gordura na região onde antes havia o pinto e o saco ficou um triângulo rechonchudo, parecia que ele tinha dois lábios vaginais. Eu cai de boca e enquanto eu lambia e beijava a "buceta" dele eu falava Carlos que delícia de buceta você tem, e ele respondia, come a minha buceta.


Fiquei louco de tesão, adoro quando o cara transforma a genitália masculinha numa "quase" feminina. Ele aproveitou para soltar seu lado de fêmea e falava bobagens tipo você gosta da minha buceta e coisas assim, fiquei irritado com a repetição, gosto de transar com cara macho, não gosto de frescuras. Mudei meu humor e mandei, dei ordem, para ele vir sentar na minha pica.


Ele fez beicinho e disse que o carro tinha pouco espaço e queria levar minha rola na rua, eu disse não, faz o que estou falando, e ele colocou seus pés sobre o meu assento e quando ficou pronto ele levou a pica de uma entalada só. Eu queria fazer ele sentir o que é uma vara grossa e de tamanho acima da média dos brasileiros, penetrando e rasgando ele.


Ele uivava, quase chorava, o vidro do carro ficou todo cheio de umidade e não dava pra ver mais nada do lado de fora. O carro ficava cada vez mais quente e abafado, e meu pau bombava no cú dele. Foi a primeira vez que eu meti num homem dentro de um carro, teve momentos que ele se levantava mais do que precisava e meu pau saia.


Não estou inventando nem enganando você, estou contando o que realmente aconteceu. Inclusive falo os "erros técnicos" como foi o caso do meu pau sair do cú dele enquanto eu estava bombando a rola nele. E também ficou pouco "profissional" ele ter que me dizer que o cú estava numa posição mais pra baixo, realmente eu preciso foder caras no carro mais vezes para pegar mais prática.


E eu não ficava no ponto de gozar, o álcool da cerveja me priva do prazer de ejacular e ter orgasmo. Por mim se ele me levasse para um motel ou drive in eu ficaria metendo nele um bom tempo, meu ponto de gozar é atingido só na primeira penetração. Quando eu enfio a rola num cú na primeira penetração eu tenho que tomar cuidado pra não gozar, mas isso eu já tinha tomado providências com o Carlos.


Chegou num momento da fudeção que eu falei para o Carlos que eu tinha que parar, ele me pediu para voltar ao bar no domingo às 8 horas da noite. Eu disse que ia, mas agora que estou escrevendo eu acho que isso não vai acontecer. Estou pensando em ir para a sauna gay, ver se lá eu como outro cuzinho.


Usando da minha sinceridade, acho que é um defeito meu me expor sobre coisas pessoais, mas sou assim, bem, na sauna eu vou é pra beber, sexo fica em segundo plano. Acho os clientes da sauna pouco interessantes, se bem que na última vez que eu transei, transa que foi só a gente bater punheta junto, foi com um padre do Ceará que estava conhecendo Belo Horizonte, e ele era bem legal.


Deitei na cama às 6 e meia da manhã, o relógio agora mostra mais de meio-dia, quero tomar um banho, colocar um perfume, Styletto, sei que meu rendimento sexual vai ficar um pouco comprometido porque não dormi nada e estou com gosto de cerveja na boca. Minha vontade de gozar dentro de um cú está me dominando, se eu não encontrar um cara legal neste domingo ensolarado de primavera...


Eu usei camisinha que o Carlos me deu e ainda não coloquei no meu pau a camisinha que eu mesmo comprei, camisinha mais larga que o tamanho padrão vendido no Brasil. Lembrei que quando eu estava voltando para casa, o Carlos me deixou perto de casa mas não tão perto, meu pau fazia volume no short, feito de material fino, e eu vi um carro se aproximando e me virei, deixando bem a mostra o meu pau meia-bomba.


Fiquei parado na calçada bem próximo da rua e o motorista do VW parou, eu sorri um sorriso angelical e cumprimentei o cara, e aí tudo bom? dissemos um para o outro. E ele disse que se chamava Guilherme e eu disse Dalto (que não é meu nome, claro!) e a próxima coisa que o Guilherme me disse foi o seu pau é bem grande.


Eu sorri em agradecimento e disse que é sim, vou te mostrar, e abaixei o meu short. Meu pau devia estar refletindo luz porque o gel da camisinha melou meu pau um pouco, acho que foi isso que motivou ele a me perguntar se eu já tinha transado, eu disse que sim, mas eu disse que eu queria mais, e com ele.


Me aproximei da porta do carro, ele terminou de abaixar o vidro, quando o vidro desceu completamente ele colocou a mão esquerda para fora e tocou meu pau, disse que eu era pauzudo. Eu falei, Guilherme vamos transar se você quiser, não estou fazendo nada, ele disse que fez a abordagem só por curiosidade e que não podia ficar comigo.


Eu educadamente disse tudo bem e levantei meu short e voltei pra calçada, enquanto ele se preparava para ligar o carro, quando me virei ele disse abraço e eu disse abraço, e fomos cada um pra sua vidinha. Cheguei em casa sentindo enjoo e cansado, nem lembrei de passar água e sabão no meu pinto, caí na cama.


Deitando eu não conseguia dormir, só fiquei imaginando como as pessoas mudam, como cada pessoa está tão envolvida com as suas próprias necessidades, como as pessoas, inclusive eu, só na hora do "pânico" é que procura um pau ou um cú, não queremos o restante da pessoa, só queremos a parte do pau e do cú dos caras.


Outro dia eu estava assintindo a TV à cabo e no History Channel passou um documentário dizendo que no mundo todo a que se gasta com sexo é da ordem de 1 bilhão e meio de dólares americanos, POR DIA. Não duvido dessa informação, é difícil ficar sem sexo, compreendo que é uma força vital muito poderosa, ainda mais eu sendo gay, sei bem disso.


O Carlos me deu a grana que eu pedi para ele, quero deixar claro que eu não cobro, nunca cobrei antes para fazer sexo com outro homem. Foi a circunstância que me fez pedir dinheiro a ele. Vou te dar uma dica, tem funcionado muito bem comigo, aliás vou te dar duas dicas para fazer que caras que estão inclinados a se apaixonar ou gostar muito de você sumam de uma vez para sempre.


A primeira coisa que faz o seu parceiro sexual sumir no vasto mundo é você falar para ele que você quer dinheiro. A segunda coisa, tão eficaz quando em fazer caras abandonarem você, é você dizer que não quer só sexo passageiro, que você quer sexo mas quer também que o cara seja seu namorado. É tiro certeiro no alvo, os caras da adoração passam à ter aversão por você.


Me desculpe se o conteúdo ficou com falhas, estou meio alcoolizado até agora, e posso ter digitado de forma confusa. Me desculpe, fiz um tanto apressadamente, eu tenho que ir na sauna pra alguém tirar o lei do meu pau. Espero que você tenha uma ótima semana! Abraços.

2 comentários:

  1. Legal ver um pau esporrando

    ResponderExcluir
  2. Olá pessoal quem tá afim de ver eu dando aquela megagozada . O meu email é , alexsandropalhanogoncalves@gmail.com . Tenho fotos e vídeos . Estou aguardando vcs .

    ResponderExcluir