segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Conto erótico: Foda no cinema pornô


Em Belo Horizonte a zona fica próxima da rodoviária e tem um cinema pornô muito frequentado por gays. Eu costumo chegar no cinema no sábado à noite, lá pelas 18 horas. Eu percebi que nesse horário alguns homens que não conseguiram mulher na zona vão ao cinema para transar com gays. Eles já entram no cinema pensando em se aliviar, o que facilita muito a vida da gente.






Quando vou ao cinema já vou com uma roupa que facilita o cara me comer. Coloco uma calça esportiva fácil de puxar pra baixo e debaixo vou de jockstrap, que é o tipo de cueca que deixa o passarinho entrar sem dificuldade na gaiolinha. E sempre uso T-shirt e calça branca porque eu percebi que essa cor disfarça melhor a porra que cai na roupa. Entro no salão do cinema e me encosto  na borda do corredor.






Estou acostumado a pegar os caras que ficam nas últimas poltronas do fundo do cinema, e encostado na parede posso escolher o cara mais safado. Geralmente estão com o pinto pra fora e batendo punheta. Esses são os melhores metedores, mas antes de chegar na fase da foda tem que saber se aproximar do cara. Geralmente eles fixam o olhar na gente, este é o sinal que é hora de sentar ao lado dele.






A poltrona que gosto de sentar tem que estar vaga à esquerda do cara porque eu sou destro e bato punheta melhor no cara com a mão direita. Se não estiver vaga eu sento do lado direito dele e depois peço a ele pra trocar de lugar comigo, explicando que pra bater punheta melhor nele é melhor ele mudar de lugar. Nunca dizem não. A primeira coisa que faço depois de sentar é puxar minha calça pra baixo, mostrando que estou de jockstrap.






Procuro ser direto e logo pego o cacete do cara pra mamar gostoso, levantando minha bunda da poltrona, oferecendo-a ao cara pra ele passar a mão e colocar o dedo no meu cú. Minutos depois o cara já está gemendo de prazer. Começo com a outra mão a alisar meu pau, mas não quero gozar ainda. O primeiro homem que pego no cinema eu mamo a pistola dele até ele gozar, na boca, mas não engulo, cuspo no chão.






Espero o cara se arrumar e ir embora e vou pra parede do fundo do cinema, tem um monte de pessoas estão em pé se masturbando. Eu começo a acariciar a braguilha de um homem ao meu lado, ele nem olha na minha cara, finge estar assistindo ao filme. Eu faço o mesmo, olho pra tela mas sei exatamente o que a minha mão está fazendo. Abaixo a minha calça e depois de um momento ele tira o pau para fora e eu caio de boca nele. 






Sinto a mão dele acariciando minha bunda e um dedo entrando na minha bunda. Estou fazendo o boquete em pé, apenas me inclino pra alcançar a pica dele e esta inclinação facilita a dedada. Aliás o dedo é removido e substituído por dois dedos. Ele até cuspiu nos dedos pra lubrificar meu cú depilado. Quando ele achou que meu cú alargou ele me diz que quer me comer ali de pé. Fico na frente dele e sinto o caralho duro e quente dele se encostando no rego da minha bunda.






Eu pego uma camisinha no bolso da calça e entrego pra ele desenrolar no pau. ei que ele acabou de desenrolar porque ele deu uma cuspida na mão e lambuzou o cacete e quando encostou na portinha senti um certo friozinho. Ele começou a pressionar a sua carne dura no meu buraco. Ele tinha um pau grosso, eu tive que ir controlando a penetração pra ele não me arregaçar todo. Os caras encostados ao lado ficavam olhando a gente, o que viam era muito melhor do que o filme.






Um cara que estava do meu lado veio e parou na minha frente, estava com o pau pra fora, duro, reto, de uns 18 centímetros, uma puta pentelhada cobrindo os lados do pau. Me inclinei e mamei ele, enquanto era possuído por trás. Sinto as duas mãos do cara que eu chupava acariciando minha bunda e abrindo ela pros lados, de modo que o pau do cara atolava mais fundo dentro de mim.






A foda começou a ter um ritmo mais rápido, acho que meu macho que não vai conseguir trepar por muito tempo sem gozar. Paro com o boquete e digo pro cara se ele não quer me comer depois que o cara gozar e ele diz que vai esperar o cara terminar e então será a vez dele. E me diz que demora a gozar, eu respondi, ótimo, estou a fim de levar muita vara. Quando o cara gozou e tirou o pau do meu cú eu falei pra ele obrigado querido, ele parece que nem me ouviu, e saiu do cinema disfarçando que nunca comeu viado.






E já que a próxima foda vai ser demorada eu sugiro irmos pro banheiro. Chegando lá mijo e o cara também faz xixi. Entramos num reservado e abaixo a calça. Ele  introduziu o pinto duro na minha bunda e começou a me foder. E cumpriu o que prometeu, me comeu um tempão, me satisfazendo totalmente a vontade de dar. Tanto que depois da foda eu tive que ir embora, não teve um terceiro... dessa vez.

Vídeo 1


Vídeo 2


Vídeo 3


Vídeo 4


Vídeo 5


Vídeo 6


Se você tiver um pinto como estes e quiser me comer, mande um e-mail para beaga24. Estou te esperando no cinema pornô!

Nenhum comentário:

Postar um comentário