quarta-feira, 25 de julho de 2012

O que gosto no futebol

O QUE GOSTO NO FUTEBOL


Na casa dele:

Esta foda aconteceu comigo na década de 1980 quando eu morava em Campinas e me envolvi com um menor de idade, lembrando que naquela época isso não era considerado pedofilia. Além do que foi consensual, ou seja, ninguém induziu  ou seduziu ninguém. Eu fazia o percurso pedalando na minha splinter uns 20 quilômetros da minha casa até a dele querendo chegar logo pra chupar sua pistola e dar minha bunda.


Eu tinha conhecido ele no campo de futebol do bairro Pinheiros. Nunca joguei futebol, pra ser franco nunca gostei de futebol, eu ia lá para ver os caras esbanjando masculinidade e ver se sobrava algo pra mim depois do jogo, na hora em que ficavam mais descontraídos tomando cerveja no bar.


Este cara chamava-se Igor e estava num banquinho do bar todo suado, com as pernas bem abertas e como na época os shorts de futebol eram mais curtos, dava pra ver um lindo par de coxas grossas. Para um cara de 17 anos ele parecia mais velho. Maturidade num cara é um dos motivos que eu levo mais em consideração. Eu nunca tive queda por homem novo e ele me enganou direitinho, pensei que ele tinha uns 22 anos, até pelo jeito de conversar dele com os companheiros.

video

Eu fiquei ali de boa no bar bebendo minha cerveja gelada até que ele me perguntou se eu também jogava bola e assim começamos a nos conhecer. Ficamos bebendo cerveja e os companheiros dele iam embora dizendo que tinham que almoçar em casa, de modo que acabou ficando no bar só eu e ele. O fato de eu não ser afeminado ajudou muito porque ele não ficaria perto de mim na frente dos outros se eu desse pinta de viado.


O fato é que depois de um tempo, conversa de homens, ele disse que estava precisando muito trepar e não tinha namorada, então eu falei é o meu caso, e o Igor respondeu porque você não quebra o meu galho? E eu falei estou doido pra chupar seu pau e dar a bunda pra você mas eu não tenho lugar pra ir. Ele disse vamos pra minha casa, minha mãe está trabalhando.

video

Passei uma bela tarde me satisfazendo na linda rola adolescente que de adolescente a rola do Igor não tinha nada, já estava do tamanho de rola de macho bem-dotado. Depois da gente trepar ficamos deitados conversando. Até que a mãe dele fez barulho de abrir a porta da frente, mas o Igor tinha deixado a chave do lado de dentro meio virada pra porta não abrir. Entrei em pânico, fui do céu ao inferno!


O Igor me disse eu vou abrir a porta pra ela entrar e enquanto eu vou pra sala você pula a janela do quarto e sai correndo, foi o que eu fiz. Como fiz eu nem sei porque me deu um branco na hora, pensar que a mãe dele me visse com o filho dela com o quarto ainda cheirando a porra das nossas gozadas. Lógico que ela que cuidava da casa ia notar um cheiro diferente na casa. Cheiro de sexo é inconfundível.


No mato:

O Igor ligou depois e me explicou que a mãe dele não me viu e acreditou que ele tinha trepado com uma safada do bairro, aliás, que a mãe dele detestava. Ficou fácil assim porque a mãe dele ficou cega e provavelmente sem olfato pro restante, falando repetidamente que ia xingar muito se a encontrasse. Marcamos nova foda para a semana seguinte, mas desta vez longe da casa dele.


Quando a gente se encontrou no mato que tem nos fundos da Fonte Sônia, esclarecendo que pra entrar na estância mineral se paga mas nós pulamos o muro numa parte de difícil acesso, eu falei pro Igor que sufoco que eu passei outro dia na sua casa. Ele riu muito e eu acabei rindo junto com ele. Tiramos a camisa e ficamos dando uns amaços e logo o pau dele endureceu, foi o bastante para eu cair de boca e aproveitei para tirar meu pau pra fora pra ele bater uma pra mim.


Me deitei de barriga pra baixo sobre uma pedra onde uma árvore fazia sombra Estava uma manhã de domingo ensolarada e a gente ouvia passarinho cantando. O Igor deu uma cuspida na mão e lambuzou minha bunda e depois a camisinha. Os passarinhos ouviram um grito de ai caralho, vai devagar, mas o Igor enfiou sua pistolona tudo de uma vez só.


Eu tinha a obrigação de reclamar, me fazer de difícil. Veja você como era a minha cabeça naquela época. Eu tinha que parecer que não estava gostando de dar, que aquilo que estava acontecendo era uma exceção sexual que estava fazendo para um outro homem. Se eu desse pra ele sorrindo e gostando eu ia me tornar um desclassificado, é assim que eu pensava na época. Eu tinha que parecer de não estar gostando de levar uma pica grossa e dura no meu rabo.


E a verdade é que eu estava adorando levar uma pica novinha no meu cú. Pau é tudo mais ou menos igual mas o fogo que tem um cara novinho faz toda a diferença. O Igor fazia seus primeiros treinamentos de fuder homem comigo e eu estava com sorte de ele ter me escolhido para suas lições de sexo. Depois da trepada saímos do mato como se nada tivesse acontecido, ah, meu cú estava dolorido mas isso ninguém ao redor podia saber.


Em seguida fomos para um bar tomar umas cervejas, dessa vez não fui de bicicleta e então eu tinha que pegar um ônibus que tinha sua parada na frente do bar. Quando deu meio-dia ele disse que tinha que ir almoçar, não queria se mostrar ingrato com sua mãe pois o almoço de domingo dela era caprichado e ele era filho único, tinha que ir.


Depois dessas duas trepadas, uma na casa dele e outra no mato, aconteceu da gente se encontrar mas não rolou mais nada de sexo entre nós. Eu e ele continuamos a nos encontrar depois do jogo mas apenas pra jogar conversa fora mas eu sei que ficaram boas lembranças, pra mim e pra ele.


Até pensei em tentar algo com outro jogador do time dele. Quando comentei isso com ele, ele ficou preocupado dos amigos descobrirem qualquer coisa e me pediu para não tentar. Fiquei de saco cheio e nunca mais voltei para aqueles lados.


Depois dessas duas trepadas, uma na casa dele e outra no mato, aconteceu da gente se encontrar mas não rolou mais nada de sexo entre nós. Eu e ele continuamos a nos encontrar depois do jogo mas apenas pra jogar conversa fora mas eu sei que ficaram boas lembranças, pra mim e pra ele.


Até pensei em tentar algo com outro jogador do time dele. Quando comentei isso com ele, ele ficou preocupado dos amigos descobrirem qualquer coisa e me pediu para não tentar. Fiquei de saco cheio e nunca mais voltei para aqueles lados. Além do mais sempre pode acontecer que depois de alguns anos eu volte até ele, que já vai estar mais velho, pronto pra matar saudades dos velhos tempos.

Um comentário: