segunda-feira, 30 de abril de 2012

De Belo Horizonte a Cabo Frio por ônibus - Parte 1

Eu e meu namorado entramos no ônibus da Útil e o letreiro dizia Macaé, por isso eu perguntei ao motorista se era aquele ônibus que ia para Cabo Frio, ao que ele confirmou. A saída da rodoviária de Belo Horizonte estava marcada na passagem para às 8 horas da manhã, o que fui cumprido, pontualmente. Nos sentamos nas poltronas 15 e 16, contígua à escada que dá acesso ao banheiro.

Vista da Rodoviária de Belo Horizonte, tomada pela entrada do estacionamento

A balconista que nos vendeu as passagens nos disse que muitos passageiros não gostam de ficar perto do banheiro. Contrariando as suas recomendações eu comprei já que o banheiro fica num piso inferior às nossas poltronas, ou seja, deve-se descer 3 degraus para ir ao banheiro. De modo que não incomoda, e como fica embaixo sobra quase uns dois metros livres na frente das poltronas 15 e 16.

Ônibus tipo Convencional da Viação Útil

Uma vez que há no nosso plano um grande espaço livre, a gente tem a chance de observar a paisagem pela nossa janela e pela janela que está sobre o banheiro. Também conta o fato de não ficar espremido pela poltrona do passageiro da frente, portanto fica-se com uma maravilhosa sensação (real) de espaço. Confesso que de vez em quando, quando alguém ia ao banheiro, saia de lá aquele cheiro de produto químico.


Se você estiver numa rodoviária que tenha Sala Vip da Útil, passe lá para pegar a revista da Útil, é grátis. Ficamos esperando no saguão e quando a Sala Vip abriu, às 7h 45min, só entramos pra conhecer mesmo porque nem dava mais tempo de usufruir o ar-condicionado (que não tem no saguão da rodoviária). Como disse antes, o ônibus saiu pontualmente no horário marcado, às 8h e atravessou a Avenida Afonso Pena, a principal da cidade de Belo Horizonte, rumo à BR-40, trecho em direção ao Rio de Janeiro.

Vista a partir da rodovia que passa em frente ao BH SHOPPING

Antes da BR-40 tem o BH Shopping, que fica no BAIRRO DO BELVEDERE. Neste bairro aconteceu uma explosão imobiliária que o encheu de prédios altos. Há uns 10 anos atrás neste lugar só havia pasto, um imenso vazio, sendo que na época da inauguração do BH Shopping, em 1979,  só havia residências. Não era permitido prédios para não impedir a vista da Serra do Curral.

Vista do bairro do Belvedere com a Serra do Curral ao fundo

O dia 21 de dezembro de 2000 foi o dia que começou o liberou geral para os edifícios altos no bairro do Belvedere. O ônibus passou em frente ao BH Shopping e aos altos edifícios às 8h 22min. Dá pra ver o BH Shopping e o Belvedere se você estiver sentado do lado do motorista. Hoje a Serra do Curral não pode ser tão bem apreciada a partir das imediações do BH Shopping, como você pode perceber pela foto mostrada acima.



Depois que passa o BH Shopping já é território pertencente às cidades de Nova Lima e Brumadinho, trecho cheio de montanhas e vales verdinhos e de vez em quando um lago. Como é uma região considerada cara, os moradores são na maioria da classe média alta, vão aparecendo muitos condomínios fechados. A antiga fábrica da Cerveja Skol, hoje desativada, também está do lado do motorista, com uma placa dizendo que vai ser construído na local uma maternidade.

Vista das montanhas no trecho da BR-40 em Nova Lima-MG  (Fonte: V M MENDES)

Passamos pelo Jardim Canadá às 8h 31min e apreciamos a bonita paisagem, rumando para o Alphaville, onde a BR-40 passa e dá pra ver a Lagoa dos Ingleses, algumas casas e prédios. Nesta parte a pista dupla e separada por uma ilha ajardinada da BR-40 acaba, o ônibus percorre ainda pista dupla mas a separação são aquelas linhas amarelas, não tem mais trecho gramado entre as pistas. 

Recreação na Lagoa dos Ingleses, no bairro de Alphaville, em Nova Lima/MG

Minas Gerais não tem mar e quanto tem uma lagoa pra fazer alguma recreação e lazer, uau! Como você pode ver na foto acima a Lagoa dos Ingleses é cheia de barcos, também motos aquáticas tem muita. Está situada num bairro habitado por pessoas de alto padrão aquisitivo, não é pra qualquer um não! Depois de passar o Alphaville a BR-40 passa por trechos em que há nas imediações muitas mineradoras.


Passamos pelo Alphaville às 8h 38min e neste ponto há um entroncamento da BR-40 com a BR-356, esta última chega em Ouro Preto, a antiga capital de Minas Gerais. Depois do entroncamento no Km 574 da BR-40 há um posto da Polícia Rodoviária Federal - PRF, mas ele não está ativo. Este é um trecho de belas paisagens, ou seja, muitas montanhas e vales verdinhos a perder de vista. Até dá pra ver no horizonte o Pico de Itabirito.


Pico do Itabirito nas imediações da BR-40

Da BR-40 você pode ver, do lado do ônibus no qual fica o motorista, o Pico de Itabirito, lá longe. O que não dá pra ver é o lado de trás da montanha, todo devastado pela mineração. Se você notar bem, as placas de sinalização de trânsito na lateral da BR estão, a maioria, empoeiradas e, por isso, ilegíveis.  As mineradoras transportam o minério de ferro pela BR-40. É que essa região de Minas Gerais é chamada de "Quadrilátero Ferrífero", riquíssima em minério de ferro.



Do Km 582 ao 590 o asfalto está muito ruim e alguns trechos estão em obras, por isso o ônibus está lento. Bom pra você ver o antigo Viaduto das Almas, agora desativado, uma vez que o ônibus passa sobre o Viaduto Márcio M. Martins, num trecho novo da BR-40, altura do atual Km 593 mais ou menos. Você pode ver a Mineradora Ferteco, esta mineradora está a uns 17 quilômetros da cidade história de Congonhas. Antes de Congonhas há um vilarejo chamado Pires, e há ao lado do vilarejo um radar na BR-40 que faz o ônibus seguir muito lentamente.

Viaduto Márcio M. Martins 

Viaduto das Almas, como é visto a partir do novo viaduto da BR-40

Passamos pelos bairros da periferia de Congonhas às 9h 20min, Km 610 da BR-40. No acesso norte da cidade de Congonhas há um posto da PRF. Ao passar próximo ao centro dá pra ver, não muito bem, porque fica lonte no alto da montanha e porque o ônibus passa rápido neste trecho da BR-40, o complexo turístico da Igreja de Bom Jesus de Matosinhos, onde no pátio estão as famosas estátuas dos profetas, esculpidas por Aleijadinho.

Igreja de Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas MG

Depois de passar por Congonhas o ônibus segue para Conselheiro Lafaiete. Antes, porém, às 9h 26min aparece a saída da BR-383 que leva a São João del Rei e Tiradentes. Logo mais adiante aconteceu, num sítio nas imediações da Vila Cardoso (km 618), a festa de aniversário comemorativa dos meus 50 anos.  Há um radar no Km 622 da BR-40 e depois vem lombada no Km 627,5. 


Para você ter uma ideia quando avistamos na BR-40 a periferia de Conselheiro Lafaiete era 9h 34min e só chegamos na rodoviária, no centro da cidade, às 9h 40min. A parada foi para entrar passageiro e o motorista partiu às 9h 48min da rodoviária, chegando de volta à BR-40 às 9h 57mim.

Área de parada na rodoviária de Conselheiro Lafaiete MG

Se o ônibus não entrasse na cidade, seriam ganhos 23 minutos, mas tudo bem. Depois que entra na BR-40 passa-se pelo Posto Trevão, no Km 639, você pode ver próximo do posto 2 motéis. Dizem que prostitutas e travestis gostam de ficar na beira da estrada, neste trecho do posto...

Vista rural de um trecho antes de Cristiano Otoni MG

O ônibus pega velocidade, passa pelo Posto Cupim no Km 647 mas não entra nele, aliás esse posto antigamente era parada de ônibus interestadual, mas agora sem os ônibus este posto anda meio vazio. Eu fui almoçar nele uma vez, tem um lago que dá pra passear de pedalinho, vendem artesanato típico mineiro, etc. O trecho é muito bom e o ônibus anda rápido, o ônibus continua a viagem, passa na cidade de Cristiano Otoni às 10h 12min. Tem uma lombada na BR-40, na entrada da cidade.



A gente vê a zona rural, muitos sítios, plantações em estufas. Do lado do motorista vê-se, no Km 658, a fábrica de cimento Tupy, antes 1 Km do lugarejo chamado Pedra do Sino. No Km 664, mais ou menos, o ônibus sai da BR-40 e entra num acesso lateral da PRF para pesagem. Quando um letreiro digital mostra a palavra "Liberado" o ônibus volta para a BR-40 e chega no trevo da cidade de Carandaí, uns 400 metros depois da PRF. Os bairros de Carandaí aparecem até o Km 667. 



Bom, chegamos em Carandaí às 10h 28min e chegamos na cidade de Ressaquinha às 10h 42mim. E às 10h 49min na cidade de Alfredo Nascimento. O ônibus não para em nenhuma dessas cidades, mas a gente vê seus bairros. Muito rapidamente porque a estrada está muito boa, o trecho duplicado tem uma barreira de concreto separando as pistas. Na entrada de Ressaquinha tem uma lombada, o ônibus anda devagar e você pode ver na lateral da pista a igreja da cidade, com sua pracinha cheia de hortênsias floridas. Nada muito grande, mas bem cuidado.

Vista de um trecho da BR-40 nas proximidades de Barbacena MG

Estamos nos aproximando da nossa segunda parada, ou seja, Barbacena. Antes de chegar na cidade, no Km 696, a BR-40 que tem uma barreira de concreto entre as pistas, abre espaço para um jardim entre as pistas. Nesse jardim há um canteiro bem cuidado, com muitas flores. Na lateral da pista do sentido Rio de Janeiro, logo em frente, há muitas rosas plantadas. A periferia de Barbacena surge às 10h 53min e o ônibus sai da BR e entra na cidade no Km 700. Chega no terminal rodoviário às 10h 56min e entram muitos passageiros e sai às 11h 03min. 

Rodoviária de Barbacena MG

Logo mais no Km 716, mais ou menos, há uma saída na BR-40 para a BR-265 que vai para Ubá. No Km 720 passamos pela cidade de Correia de Almeida, a cidade fica de um lado só da pista. Dos Km 720 ao 730 a pista tem curvas acentuadas e por esta razão o ônibus segue lentamente. Deu pra ver até que o terreno do morro ao lado da pista caiu e formou um monte no canto da pista. A região é bem montanhosa. O Km 731 está em obras, nesta ocasião tinha apenas uma pista para passagem. No Km 733 mais terra caída na lateral da pista.

Trecho da BR-40 com pista dupla nas imediações de Santos Dumont MG

A pista dupla termina no Km 741, antes da cidade de Santos Dumont. Passamos por Santos Dumont às 11h 42min e logo depois da cidade tem um radar e depois a pista volta a ser dupla, acho que no Km 743. Seguindo a viagem o ônibus passa por 3 viadutos grandes e construídos a uma boa altura, sobre as casas da cidade de Ewbank da Câmara. São 11h 55min e a cidade é bem espalhada nos vales entre as montanhas. Logo depois de sair de Ewbank da Câmera, no Km 698, aparece uma lombada na BR-40. 


Estamos nos aproximando da cidade de Juiz de Fora, onde haverá a troca do motorista. No Km 767 mais ou menos há um posto da PRF e 3 lombadas na BR-40. No Km 774 mais ou menos há o restaurante Graal Silvio's onde paramos para almoçar às 12h 08min, sendo que o motorista nos disse que ficaríamos ali durante meia hora. Ficamos 42 minutos! Quando saímos do Graal era 12h 50min.

Fábrica Mercedes Benz, em Juiz de Fora (Autor da foto: A.F.A.)

Logo adiante, Km 777, aparece a enorme fábrica da Mercedes Benz, que agora não faz mais automóveis mas sim caminhões. Note que neste trecho há postes de iluminação da BR-40 com painel solar para gerar a energia elétrica do poste. Do Km 775 ao 778 a gente vê muitas fábricas ao lado da BR-40 e Juiz de Fora está a uns 17 quilômetros. O ônibus pega e retorna no sentido Belo Horizonte, entra numa rodovia que dá acesso à rodoviária na qual chega às 13h 13mim, saindo às 13h 19min, e retorna à BR-40 às 13h 33min. 

Trecho da BR-40 em Juiz de Fora MG

Este trecho da BR-40 está em ótimas condições, até existe um acostamento largo e notei que a grama na lateral da BR-40 está perfeitamente aparada e as placas de sinalização que existem são grandes, bem explicativas. Parabéns à CONCER, a concessionária a quem cabe o pedágio no trecho Juiz de Fora-Rio de Janeiro, pela pista ser conservada em condições de permitir um tráfego seguro e rápido.

Pedágio da CONCER em Simão Pereira MG

O ônibus passa mas não entra na cidade de Matias Barbosa e logo em frente, no Km 816,7 da BR-40 tem uma barreira de pedágio, mas o ônibus passa direto, não para, demora só um pouquinho que é o tempo da cancela ser levantada para passar. Às 14h 03min passamos pela divisa dos Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Tem uma placa de sinalização perto do posto da PRF indicando que é o Km 6 da BR-40, o que significa que na fronteira zerou. 

Placa sinalizando a saída para a cidade de Comendador Levy Gasparian RJ

Tanto é que apareceu uma placa de sinalização indicando que no Km 7 tem a saída de acesso da cidade de Comendador Levy Gasparian, a primeira cidade do Estado do Rio de Janeiro, na qual chegamos às 14h 11min. Tem uma enorme ponte que passa por cima de um bairro da cidade. Às 14h 17min tem outra ponte na BR-40, passando sobre o Rio Paraíba do Sul. Tem uma rodovia logo depois da ponte que dá acesso à cidade de Três Rios.

Ponte sobre o Rio Paraíba do Sul em Três Rios RJ

 Não entra em Três Rios e continua na BR-40 e às 14h 19min apareceu mais um posto da PRF, no Km 22. Continuando a viagem o ônibus passa bem ao lado de um rio, tem umas pedras dentro do rio e nas margens, muito bonito. Mais à frente as duas pistas se separam e tem um morro entre elas, neste trecho olhe para o rio e veja que há um oleoduto passando na margem do outro lado do rio. E em seguida tem uma represa no rio, na Vila Piabanha.

Represa no Rio Piabanha próximo de Areal RJ

Depois da represa o Rio Piabanha segue seu curso entre as pedras com o nível muito baixo, quase não tinha água. A próxima cidade é Areal, a BR-40 passa sobre o rio no Km 28, agora são 14h 32min. Viajando até que o ônibus fica lento pois houve um desmoronamento na encosta da montanha e há operários fazendo obras de contenção. Aproximamo-nos do Km 45,5 e um novo posto de pedágio aparece, o posto de pedágio da CONCER na divisa dos municípios de Areal com Petrópolis, km 45,5.

Trecho da BR-40 altura do Km 45 antes do pedário de Areal RJ

Às 14h 40min passamos por um lugarejo pequeno, meio espalhado ao longo da BR-40, chamado Pedro do Rio. Dá pra ver uma pedreira ao lado da BR com muitas bromélias. No Km 55 há obras de contenção do talude. Estamos indo em direção à Itaipava, aquela cidade onde tem a fábrica da Cerveja Itaipava. Às 14h 44min passa pertinho da fábrica da Itaipava, no Km 57. A cidade de Itaipava apareceu às 14h 49min e tem bairros muito espalhados perto da BR.

Trecho da BR-40 altura do Km 61 em Itaipava RJ

Neste trecho de Itaipava aparecem montanhas lindíssimas, a gente fica boquiaberto com a beleza. Se você gosta da natureza prepare-se para ter uma overdose de paisagens ma-ra-vi-lho-sas! No Km 66, na saída para Araras, as montanhas são bem altas, um visual indescritível. Às 15h 01min começa o trecho de subida, muita mata. Depois do Km 76 começa a descer. No Km 84 ficamos uns 500 metros com neblina, muita nebrina na mata que a gente nem conseguia vê-la. Até a lateral da pista era difícil de enxergar.

Trecho da BR-40 em Itaipava RJ (Fonte: SABOR E ALQUIMIA)

Esqueci de dizer que neste trecho as pistas se separam de modo que quem vai na direção do Rio de Janeiro não vê a outra pista, a da direção de Belo Horizonte. No Km 85 a Br-40 passa na beira de um precipício, depois entra num túnel. O ônibus vai devagar todo o tempo.  Passa por um viaduto e às 15h 14min tem um acostamento gramado que é um mirante, de lá avista-se uma bela paisagem, com certeza! 

Mirante na BR-40 em Itaipava RJ (Fonte: CIRITAIPAVA)

A BR-40 é chamada Rodovia Washington Luís e este mirante permite avistar a Serra da Estrela e em dias favoráveis avista-se até a cidade do Rio de Janeiro. Mas com tanta neblina eu conseguir ver o mirante já está bom demais. Até as 15h 18min era tudo neblina até que chegou no Km 98 e clareou, deu pra ver os vendedores de tapetes artesanais.



Às 15h 27min chegamos a um lugar chamado Vila Bonança e às 15h 29min saímos da BR-116 (Rodovia Washington Luís) e entramos no trecho da BR-116 cuja concessionária é a CRT. Mais à frente, antes do Rio Inhomirim no Km 133,5 há um posto de pedágio, veja a imagem do pedágio abaixo:

Posto de pedágio da CRT em Piabetá

Às 15h 46min no lado esquerdo, que é o lado do motorista, dá pra ver o Pico do Dedo de Deus, em Teresópolis, lá longe mas bem visível já que a tarde está ensolarada e tranquila. Enquanto a BR-40 rumava para o sul, a BR-116 nos leva na direção leste. A rodovia está muito bem conservada e sinalizada, pena que a vista da periferia da cidade de Duque de Caxias não é lá das mais bonitas. 

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Quem gosta de kuduro?


Titica é o nome artístico da transsexual angolana Teca Miguel Garcia. É uma intérprete do estilo musical chamado kuduro, mas não é tão somente uma cantora, também fez balé. Ela tornou-se mais conhecida em Angola depois que se apresentou em outubro de 2011 no programa de televisão chamado Noite e Dia e fez sucesso com a música Chão. Contudo músicas do estilo kuduro já eram tocadas em Angola desde os anos 1980, sendo que a partir dos anos 2000 começaram a ser tocadas fora de Angola.

KUDURO, portanto, é um tipo de música típico de Angola. Embora muitos cantem o kuduro, eu comecei a gostar de kuduro apenas e tão somente na interpretação de Titica. Porque ela tem carisma de Diva, ela contagia a gente, ela é divertida, elétrica. Me desculpe mas eu sou o tipo de gay que odeia funk, e embora kuduro pareça pra gente aqui do Brasil como um tipo de funk, abro uma excessão pro que for cantado por Titica.

A internacionalização do kuduro veio quando lhe foi acrescentado batidas de música eletrônica, acontecendo que DJs ao tocar kuduro no ritmo techno ensejavam que as pessoas incrementassem novos movimentos ao dançar, muito mais do contido no balanço original do kuduro de Angola. De modo que o kuduro que a gente tem agora, um kuduro "global", é mais um kuduro reinventado pelos DJs da Europa, principalmente.

Quem assiste uma certa novela na televisão (que não vou falar qual) sabe que a música que toca na abertura é kuduro, mas como a palavra kuduro no português brasileiro tem o mesmo som de um palavrão, cú duro  (hard ass), a letra da música foi trocada, para não chocar a socialite brasileira.

Lucenzo canta Let's Dance Kuduro (Vem Dançar Kuduro) num ritmo latino, em inglês: 

Lucenzo canta em português do Brasil (ou perto disso ha ha ha):

O cantor Lucenzo faz parceria com El Rey:

O cantor Latino canta com Daddy Kall, em português do Brasil:

O que se ouve na abertura da novela "das oito" é a música Dança Com Tudo. Porra! que mal há em chamar Dança Kuduro? Afinal a novela embora seja conhecida como a novela das 8 (horas da noite), ela começa após o telejornal, começa lá pelas 9 horas da noite. Será que a tradicional família brasileira não quer que seus pimpolhos ouçam nome feio?

Sei que xuxa em espanhol é como vulgarmente é chamado o genital feminino e nem por isso a famosa cantora brasileira teve que mudar seu nome nos países latinos. Será que a tradicional família brasileira vai querer que Titica mude seu nome se quiser se apresentar no Brasil? Titica no Brasil é como se chama coloquialmente as fezes de passarinho, de galinha e o coco de animais em geral. E ai, família tradicional brasileira, como é que faz?

quarta-feira, 18 de abril de 2012

A Moreninha - Parte 1

Capa da primeira edição de A Moreninha

O romance A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, tem muitos termos de difícil compreensão e eu os anotei e procurei o seu significado. Apresenta-se aqui estas palavras no contexto da frase original e em seguida numa frase com o entendimento mais fácil, ou seja, na língua portuguesa falada no Brasil contemporâneo. Também aparecem a tradução de termos estrangeiros (em latim, francês e inglês), bem como a explicação dos nomes próprios de personalidades históricas e de lugares.

Pedra da Moreninha, um mirante para se avistar
a Baía de Guanabara

Considerado o primeiro romance brasileiro, A Moreninha conta a história do enamoramento de Augusto e Carolina. O ROMANTISMO é um movimento literário surgido na Europa nos séculos XVIII e XIX onde o texto apresenta personagens com caráter humano ideal expressando um sentimentalismo exagerado.

Vista da Ilha de Brocoió em frente à Praia da Moreninha

Interessante é que o autor menciona o local dos acontecimentos acontecendo "na Ilha de...", portanto não fica claro que ilha se trata. Contudo o senso geral considera tratar-se da Ilha de Paquetá, situada na Baía de Guanabara a tão somente 15 quilômetros do centro da cidade, então capital do Império do Brasil. Embora os eventos se passam aproximadamente nos anos 1840, desde os tempo de Dom João VI a Ilha de Paquetá era a preferida dos membros da corte portuguesa para as suas atividades turísticas.

Por do sol na Praia da Moreninha

Aliás JOAQUIM MANUEL DE MACEDO era muito próximo do Imperador Dom Pedro II, inclusive foi escolhido por ele para ser o professor  dos filhos da Princesa Isabel. A Ilha de Paquetá tornou-se famosa mesmo a partir da publicação do romance em 1844, havendo uma praia chamada Praia da Moreninha. A pedra na qual Carolina ficava à espera de Augusto, como fazia muito tempo antes a índia tamoio Aí, ficou sendo chamada de Pedra da Moreninha.

Pedalinhos na Praia da Moreninha. Autor da foto: JANDI

Você pode ouvir no seu computador a uma adaptação de A Moreninha, feita em 2000 pela Revista Caras clicando aqui em ÁUDIO-LIVRO A MORENINHA, lembrando que está no formato MP3. Você pode baixar para o seu computador o arquivo no formato PDF que está no PORTAL DOMÍNIO PÚBLICO - A MORENINHA. Se quiser ler online veja o que está disponibilizado pela FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL - A MORENINHA, em PDF.  Você encontra o texto integral de A Moreninha também no PORTAL SÃO FRANCISCO.

Capa do áudio-livro da Revista Caras

O romance A Moreninha foi publicado em jornal, como um folhetim, o que obrigava os capítulos a serem curtos e geralmente terminando em suspense para o leitor continuar acompanhando. A história é meio clichê como se poderia esperar de estória de amor burguesa: um jovem estudante de medicina (Augusto) e alguns amigos fazem uma aposta que é se Augusto ficar apaixonado pela mesma mulher por mais de 15 dias ele deve escrever um livro. Ele era um "pegador" e achavam que iria perder a aposta, mas ele acabou conhecendo A Moreninha...


Se você quiser saber mais informações turísticas, até mesmo como chegar lá, onde se hospedar e onde passear, a minha sugestão é ir ao site ILHA DE PAQUETÁ. Agora vamos aos termos complicados e estranhos que aparecem no romance A Moreninha, sendo que a indicação do número da página é a que consta na edição que eu li. Como foram publicadas "n"  edições, a numeração pode variar.

CAPÍTULO 1 - APOSTA IMPRUDENTE

Página 5:

ADÁGIO: máxima, provérbio, ditado, sentença
"...a não valer-lhe o adágio antigo..."  = ".. a não valer-lhe o provérbio antigo..."

CÉLEBRE: famoso, notório
"Coisa célebre!" = "Coisa notória!"

EPIGRAMAS: crítica, zombaria, dito picante
"E dá-lhe para fazer epigramas,..." = "E dá-lhe para fazer zombarias,..."

QUINHÃO: cota-parte, sorte
"...maior quinhão houvera no cumprimento do recém-chegado;" = "...maior sorte de ser escolhido para fazer o cumprimento do recém-chegado;"

CARRASPANA: bebedeira
"...quando tomava carraspana,..." = "...quando se embriagava,..."

C'EST TROP FORT: na língua francesa significa o mesmo que "é muito difícil", pronuncia-se cé tró fór

CANAPÉ: um tipo de sofá
"...espreguiçando-se no canapé..." = "...espreguiçando-se no sofá..."

HÁBITOS: roupas de baixo, roupa íntima
"...pondo-se em hábitos menores,..." = "usando roupas de baixo,..."

ESMERO: cuidado, perfeição, apuro
"...vestido com esmero e alinho,..." = "...vestido com cuidado e alinho,..."

ALINHO: asseio, com bom gosto
"...vestido com esmero e alinho,..." = "...vestido com esmero e bom gosto,..."

CARAPUÇA: um tipo de chapéu sem muita sofistificação
"...vermelha e velha carapuça..." = "um chapéu vermelho e velho..."

POUILLET: Claude Servais Mathias Pouillet foi um físico francês, membro da Academia de Ciências da França. Pronuncia-se puié.

ACOLÁ: longe, distante
"...acolá, enfim, o meu romântico Augusto,..." = "a uma distância, enfim, está o meu romântico Augusto,..."

FRALDAS: parte inferior da camisa
"...com as fraldas à mostra,..." = "...com a parte inferior da camisa à mostra,..."

BOCAGE: Manuel Maria de Barbosa l'Hedois du Bocage foi um poeta português havido como o maior representante do arcadismo lusitano.

VV.SS.: abreviatura de vossas senhorias, os senhores, vocês
"Oh! VV. SS. tomam café!..." = "Oh! Vocês estão tomando café!..."

CHÁVENA: xícara
"...aquele tem uma chávena..." = "...aquele tem uma xícara na mão..."

LAVORES: ornato em relevo
"..aquele tem uma chávena com belos lavores apurados,..." = "...aquele tem na mão uma xícara toda ornamentada,..."

Página 6:

PÚCARO: vasilha com alça, caneca
"...ainda que seja no púcaro em que coas;..." = "...ainda que o café me seja servido na caneca na qual foi coado;..."

PROPOSIÇÃO: frase, sentença
"...de lhe não deixar concluir uma só proposição,..." = "não deixar que ele termine uma única frase,..."

INFLUÍDO: entusiasmado, animado
"...que era o mais influído..." = "...que era o mais entusiasmado..."

GALEGO: pessoa de condição social mais baixa, povão
"...Filipe é como o galego,..." = "...Filipe comporta-se como faz o povão,..."

PATUSCADA: festa alegre e animada onde pode-se comer e beber
"...temos patuscada?..." = "...temos uma festança com comes-e-bebes?..."

ERGO: no latim significa logo, por consequência, em resultado. Pronuncia-se érgo.
"Ergo!" = "E por consequência de ela ser a sua avó..."

Página 7:

PATUSCA: que pensa só em diversão
"...é a velha mais patusca do Rio de Janeiro." = "...é a velha que gosta mais de divertir-se no Rio de Janeiro."

COBRES: dinheiro (na época era comum as moedas de valor serem feitas deste material)
"...aos cobres da velha,..." = "ao dinheiro da velha,..."

TOMA LARGURAS: pessoa rica
"...do que a qualquer das nossas toma-larguras da moda." = "...do que a qualquer uma das riquinhas que estão fazendo sucesso por aí."

DAR O CAVACO: gostar muito de, ter interesse em, ter uma queda
"Confesso que dou o cavaco por elas,..." = "Confesso que tenho muito interesse nelas,..."

POSTO VELHO: considerar alguém como uma pessoa velha, de mais idade
"...mas as moças me têm posto velho." ="...mas as moças me acham velho."

ALABASTRO: mármore branco
"...seio de alabastro..." = "...seio branquinho como o de uma escultura de mármore..."

Página 8:

PAGODEADO: gracejado, troçado
"É que este ano já tenho pagodeado..." = "É que este ano não levei à sério..."

QUANTUM SATIS: do latim, significa o quanto baste, o suficiente. Pronuncia-se quantum sátis. 
"...pagodeado meu quantum satis,..." = "...já fui displicente o suficiente,..."

PROSAICA: que está em prosa
"...romântica ou clássica, prosaica ou poética,..." = "...emocional  ou racional, prática ou sonhadora,..."

PITORRA: pião (um brinquedo)
"...fazer de minha alma peteca, de meu coração pitorra!..." = "...fazer de minha alma peteca (algo que se faz ir e vir), de meu coração pião (algo que se faz ficar girando)!..."

VELPEAU: Alfred Armand Louis Marie Velpeau foi um cirurgião francês com profundos conhecimentos de anatomia cirúrgica.

MEIRINHOS: oficial de justiça, magistrado
"...mais citações em cada página do que todos os meirinhos reunidos fizeram,..." = "...mais citações em cada página do que todos os magistrados reunidos fizeram,..."

CALOIRO: estudante do primeiro ano, calouro
"...que faria inveja a um caloiro,..." =  "...que faria inveja a um aluno recém-ingresso,..."

PÉ DE ALFERES: namoro
"...vou dispondo a fazer meu pé de alferes com a loura." = "...vou seguindo namorando a loura."

Página 9:

REQUESTAR: galantear, namorar
"...quererás porventura requestar minha irmã?" = "quererás porventura namorar minha irmã?"

VELHACO: malicioso, libertino, devasso
"..é um grandíssimo velhaco." = "...é um grandíssimo devasso."

VOLÚVEL: inconstante, instável
"...e em toda parte confesso que sou volúvel,..." = "...e em toda parte confesso que sou inconstante em meus relacionamentos amorosos,..."

BLASONAIS: vangloriar-se, alardear
"...que blasonais de firmeza de rochedo,..." = "que se vangloria de ter a firmeza de um rochedo,..."

Página 10:

ASSEVERO: afirmar, assegurar
"Assevero que não." = "Afirmo que não."

BASBAQUE: palerma
"Chamar-me tolo, pateta, basbaque..." = "Chamar-me tolo, pateta, bobão..."

MIMOS DE AMOR: encantos e meiguices que se faz para agradar ao ser amado
"Que mimos de amor que são as primas deste senhor!" = "Que fazedoras de feitiços que são as primas deste senhor!"

Página 11:

PHAROUX: Pharoux é o edifício de onde saiam (e atualmente ainda saem) as embarcações que faziam a ligação entre o Rio de Janeiro e a Ilha de Paquetá. Pronuncia-se fárrú.

JOÃO CAETANO: João Caetano é o mais antigo teatro da cidade do Rio de Janeiro.

LEVANTOU A SESSÃO: abrir uma reunião
"E eram oito horas da noite quando se levantou a sessão." = "E era oito horas da noite quando a reunião foi iniciada."

CAPÍTULO 2 - FABRÍCIO EM APUROS

Página 12:

CASACA: um traje formal para ser usado em cerimônias
"...onde pendura a casaca,..." = "...onde pendura sua melhor roupa,..."

MORINGUE: moringa, vasinha de barro para conservar água
"...onde pendura a casaca, o moringue,..." = "...onde pendura a casaca, o cantil de água,..."

CANASTRA: cesta 
"...até duas canastras de roupa,..." = "...até duas cestas de roupa,..."

Página 13:

BELEGUIM: detetive
"...Se cai nas unhas de algum beleguim,..." = "Se algum policial o prende,..."

TROPEL: multidão fazendo barulho e confusão
"Mas neste momento ouviu-se tropel na escada..." = "Mas neste momento ouviu-se um tumulto na escada..."

MACISTAS: importunadores, chatos, pessoas desagradáveis
"Que macistas!" = "São uns importunadores!"

MERCÊ: domínio, proteção
"...e à mercê das trevas..." = "...protegido na escuridão..."

POSTIGO: portinhola
"...por entre os postigos das janelas." = "...por entre as portinholas das janelas."

AMANTÉTICA: apaixonado, amante
"...minha assuidade amantética,..." = "...minha assuidade de apaixonado,..."

Página 14:

MANCEBO: moço
"...que o mancebo se faz poeta por amor." = "que o jovem se faz poeta por amor."

PLATÔNICO: sem desejo sexual
"...o que se chama amor platônico,..." = "...o que se chama amor sem desejo sexual,..."

PATOLOGIA: parte da Medicina que estuda as doenças
"...porque eu me lembro que em patologia..." = "...porque eu me lembro que na medicina..."

VOLUPTUOSOS: sensual, delicioso
"...sorvendo-lhe nos lábios voluptuosos beijos!" = "...sorvendo-lhe nos lábios beijos deliciosos!"

DESPOJOS: um proveito, geralmente um objeto, tomado do inimigo
"..nem fizeste má cara a esses despojos de minhas batalhas." = "...você nunca recusou comer empadas, doces, petiscos, etc. que me dão as minhas eventuais namoradas."

SABATINA: dia de recapitulação de matérias na escola
"...na véspera de alguma sabatina;..." = "...na véspera do dia de recapitulação do que foi ensinado;...!

ENTABULAR: iniciar
"...eu ia entabular um namoro romântico,..." = "...eu ia iniciar um namoro romântico,..."

Página 15:

OUVERTURE: em francês significa abertura, pronuncia-se u-vér-tír
"Começou a ouverture..." = "Começou a abertura do evento no teatro..."

AUSPÍCIOS: agouro, sinais
"...minha paixão começava debaixo de maus auspícios,..." = "...minha paixão começava com maus sinais,..."

Página 16:

BOTIM: um tipo de bota
"...e mais lustrosa do que um botim envernizado,..." = "...e mais lustrosa do que umabota envernizada,..."

ESCLERÓTICA: a porção branca do olho
"...e cuja esclerótica era branca como o papel..." = "...e cuja parte branca do olho era branca como o papel..."

NÁCAR: cor-de-rosa
"...com lábios grossos e de nácar,..." = "...com lábios grossos e rosados,..."

AZEVICHE: carvão mineral
"...e terás feito ideia desse diabo de azeviche,..." = "...e terás feito ideia de como ele era preto como carvão,..."

Página 17:

LESTO: rápido
"...Pronto, lesto e agudo,..." = "imediata, rápida e espertamente,..."

TARAMELA: fechadura
"...meus parceiros me chamam o orelha de cesto, pé de coelho e boca de taramela." = "...meus amigos dizem que sei guardar o que ouço, vou rápido aonde me pedem pra ir e que eu não revelo o que sei."

COMISSÃO:  incumbência, deliberação
"...para executar a sua comissão." = "...para executar o que lhe foi mandado fazer."

ENTABULADO: estabelecido
"...o namoro estava entabulado;..." = "...o namoro com Dona Joana era dado como já estabelecido;..."

AMIUDADOS: repetidos, frequentes
"...concedendo-me apenas amiudados e curiosos olhares,..." = "...curiosa, ela olhava para mim várias vezes,..."

ENTALADELA: problema, enrascada
"...não sei como me livre de semelhante entaladela,..." = "...não sei como livrar-me dessa enrascada,..."

CLASSISMO: filosofia baseada na razão
"Já não tenho tempo de exercer o meu classismo;..." = "Já não consigo mais viver objetivamente;..."

ALGIBEIRAS: carteira de colocar dinheiro
"...ando sempre com as algibeiras..." = "...ando sempre com a carteira..."

MATINAS: no começo, na parte inicial
"..ando sempre com as algibeiras a tocar matinas." = "...ando com a carteira quase vazia."

Página 18:

CAIXEIRINHO: comerciário, balconista
"...pois não há pela vizinhança gordurento caixeirinho..." = "...pois não há pela vizinhança gordurento balconista..."

FAUBLAS: Os amores do cavaleiro de Faublas é uma novela escrita em 1787 por Jean-Baptiste Louvet de Couvrai, onde relata-se o amor à primeira vista entre Octavian e Sophie. Ela sente que inevitavelmente o destino irá separá-los e decide deixar ele livre. Pronuncia-se fublá.

CRISMADO: apelidado, alcunhar
"Malditos românticos, que têm crismado tudo e trocado em seu crismar os nomes..." = "Malditos românticos, que dão novo conceito a tudo e trocado o sentido dos nomes..."

DESENXABIMENTO: insipidez, sem graça
"O que numa moça era, antigamente, desenxabimento,..." = "O que numa moça consideraria-se antes ser algo sem graça,..."

LANGUIDEZ: brandura, doçura
"...hoje é ao contrário sublime languidez!" = "...hoje é ao contrário considerado um estado de doce calma!"


Página 19:

CUM QUIBUS: no latim significa "com que", pronuncia-se cum cu-íbus, mas aqui significa bem pecuniário, dinheiro
"...escorrego-lhe, cum quibus, a despeito da minha má vontade." = "...entrego a ele meu pouco dinheiro, apesar de minha relutância em dar."

PARLADORES: alguém que fala sem fundamento, fala com intenção de iludir
"...grandes e excelentes parladores,..." = "...grandes e excelentes enganadores,..."

DEFICIT: do latim significa saldo negativo, pronuncia-se dé-ficit
"depois de longo discurso me apresenta um deficit..." = "depois de falar muito diz que está financeiramente no vermelho..."

ENFADADO: aborrecido
"Ver-me-ás enfadado,..." = "Você me verá com cara de aborrecido,..."

GRAÇA: gracejo, piadinha
"...te dirija alguma graça pesada,..." = "...te faça algum comentário desagradável,..."

RAPÉ: tabaco em pó que se deve cheirar
"...e sorvendo uma boa pitada de rapé..." = "...fungando um pó de tabaco..."

CAPÍTULO 3 - MANHÃ DE SÁBADO

Página 20:


BATELÃO: canoa
...quando o batelão de Augusto abordou..." = "...quando a embarcação abordou..."

PALINURO: piloto 
"...ele designou ao seu palinuro..." = "...ele mandou o piloto da canoa..."

BATELEIRO: barqueiro
"...despediu o seu bateleiro..." = "...mandou embora o barqueiro da canoa por não pecisar mais os serviços dele..."

PROLIXO: enfadonho por falar muito
"...para não ser prolixo,..." = "...para encurtar a descrição do ocorrido,..."

TERRA DE SANTA CRUZ: foi o segundo nome dado pelos portugueses ao Brasil
"...eterna primavera desta nossa boa terra de Santa Cruz." = "...calor e tempo bom que faz no Brasil."

CINQUENTA PALMOS EM QUADRO: antiga medida de comprimento equivalente a 22 centímetros
"...uma elegante sala de cinquenta palmos em quadro;..." =...uma elegante sala quadrada de uns 11 metros cada lado;..."

Página 21:

GABINETE: quarto 
"...dizendo que é gabinete de moças." = "...dizendo que é quarto que só entram moças."

EXTREMOSA: carinhosa, dedicada
"...toda a ternura de sua extremosa mãe." = "...toda a ternura de sua dedicada mãe."

MADEIXAS: porção de cabelo reunido, trança
"...que as negras madeixas..." = "...que o arranjo dos seus negros cabelos..."

ONÇAS: antiga unidade de volume usada na época equivalente a 20 mililitros
"...mais de duas onças água-de-colônia de um vidro..." = "mais de 40 mililitros de perfume que estava num vidro..."

Página 22:

ESTOUVADA: leviana, inconsequente
"...acha-a estouvada, caprichosa..." = "achava que ela era uma moça sem responsabilidade..."

MAÇANDO: importunando
"...maçando-o duas e três horas... = "importunando-o durante umas duas a três horas..."

CEDIÇAS: conhecidas a muito tempo
"...essas coisas muito banais e já muito cediças,..." = "...essas coisas muito banais e conhecidas faz tempo, não são novidade,..."

MONFINA: infortúnio, infelicidade
"...porém, ó monfina do pobre estudante!" = "porém, quanta infelicidade acontece com o pobre estudante!".

INTEMPESTIVO: inoportuno, inesperado
intempestivo castigo..." = "Ó inesperado castigo..."

Página 23:

LISONJEIRO: adulador, que agrada
"Olhem como ele é lisonjeiro!" = "Olhem como ele é educado dizendo essas coisas!"

EMPERREADA: teimosa, birrenta
"...capaz de desmamar a mais emperreada criança." = "...capaz de desmamar a criança mais birrenta."

Página 24:

LOMBOS: costas
"...esse peso dos lombos,..." = "...esse peso que sente nas costas,..."

FURTA-CORES: cor com variação
"...tristíssimos olhos furta-cores,..." = "...tristíssimos olhos com aspecto fora do normal,..."

Página 25:

SARCÁSTICA: irônica, dissimulada
"Ela soltou uma risada sarcástica." = "Ela riu para tentar dissimular o seu constrangimento."

CAPÍTULO 4 - FALTA DE CONDESCENDÊNCIA

Página 27:

CONDESCENDÊNCIA flexibilidade, concordância, ajustamento
"Falta de condescendência" = "Falta de flexibilidade."

TORPEZA: infâmia, ação vergonhosa
"Ora, para conseguir semelhante torpeza,..." = "Ora, para conseguir agir infamemente,..."

LEVIANDADE: falta de prudencia, precipitação
"...não é pelo menos louca e repreensível leviandade;..." = "...(ferir a fibra do amor) é agir com imprudência;..."

RANCHINHO: grupo, ajuntamento
"...diante do ranchinho de belas moças,..." = "...diante do grupo de belas moças,..."

Página 28:

MANGAR brincar, azarar
"...vamos mangar com a moça." = "...vamos fazer gozação com a moça."

CONTRABANDO: gente de má reputação
"...o que eu quero é desgrudar-me do fatal contrabando." = "...o que eu quero é me desgrudar desta chata que está quase me matando."

Página 29:

MOTE: lema, palavra de ordem
"...porque as moças tem ultimamente tomado por mote..." = "...as moças aplicam sobre os seus apaixonados o lema...(iscar, pescar e casar)"

REQUEBROS: ditos apaixonados
"...os seus apaixonados extremos ternos afetos e gratos requebros,..." = "as suas apaixonadas demonstrações de carinho e palavras de amor,..."

PARLAMENTARES: negociar, fazer acordo
"...para contrabalançar tão parlamentares ..." = "...para contrabalançar o acordado..."

VICIOSAS: defeituosas, corrompidas, incorretas
"...para contrabalançar tão parlamentares e viciosas disposições,..." = "...para não aceitar o combinado que não é para mim nenhuma coisa boa (iscar, pescar e casar),..."

ENCADERNADO: trajado
"...segue-se que estou encadernado..." = "...resulta que adotei como costume para mim..."

AXIOMAS: verdade irrefutável e óbvia
"...segue-se que estou encadernado nos axiomas da ciência." = "resulta que eu adotei o costume de viver de coisas reais e não de coisas românticas."

MEDEIXES: desdéns
"...medeixes aproximando-se,..." = "...como fazem as aranhas antes de atacar a presa aproximam-se da vítima com ar de não estarem interessadas,..."

ADEUS MINHAS ENCOMENDAS: exclamação de desesperança
"...mete por força o pé no laço e adeus minhas encomendas,..." = "...depois de preso não deve ter esperança de livrar-se,..."

INSÍPIDOS: insossos, sem graça
"...deixa-te de insípidos escrúpulos..." = "deixe dessas considerações éticas tão sem graça..."

ENREDO: maquinação, tramoia
"...pois que me acreditas capaz de servir de instrumento para um enredo..." = "pois se você acha que eu vou fazer parte desta tramoia..."

Página 30:

ALFENIM: pessoa delicada, pessoa que se magoa facilmente
"Como? se ela é a cria de D. Joaninha, o alfenim da casa,..." = "Como? se ela é cópia de Dona Joaninha, a pessoa na casa que mais se magoa facilmente,..."

PAPA-EMPADAS: mané, covarde
"Tu sempre foste um papa-empadas." = "Você continua sendo o covarde que sempre foi."

BANDOLEIRO: bandido
"Direi que és um bandoleiro." = "Direi que você é um sem-caráter."

Página 32:

CAPÍTULO 5 - JANTAR CONVERSADO

JAGODES: pessoa sem importância
"...D. Clementina prestava mais atenção a ele que aos jagodes,..." = "D. Clementina prestava mais atenção a ele que a outros convidados que não tinhas tanta importância,..."

PUDIBUNDA: envergonhada
"...é meiga, terna, pudibunda,..." = "...é meiga, terna, envergonhada,..."

LÂNGUIDO: abatido, desfalecido
"Seu moral é belo e lânguido como seu rosto;..." = "Seu modo de conduzir-se é belo e sem exageros, como assim é o seu rosto;..." 

EPIGRAMA: crítica, zombaria
"D. Clementina é um epigrama interminável;..." = "Dona Clementina é o tipo de pessoa que faz crítica sem parar;.."

VIS-À-VIS: do francês, cara a cara. Pronuncia-se vizá-vi
"...como é moda dizer - vis-à-vis." = "como é costume não se falar mal de quem está cara-a-cara."

Página 33:

CRONISTA: quem narra uma história
"...acabava de fixar de repente na terrível cronista..." = "...acabava de fixar de repente na narradora de indiscrições..."

DAR O CAVACO:  ter interesse em
"Mas D, Carolina você deu o cavaco?" = "Mas Dona Carolina você está interessada (no Augusto)?"

NÁCAR: cor-de-rosa, rubor
"A cronista fez-se de cor de nácar..." = "A faladora ficou ruborizada..."

APINHOU: juntou
"...a Moreninha estendeu e apinhou os dedos..." = "...a Moreninha estendeu e juntou os dedos..."

Página 34:

TACHARA: imputar uma qualidade
"...com tanta injustiça, tachara de irregular e feio." = "...com tanta injustiça, qualificara como irregular e feio."

EMPÁFIA: soberba, vaidade
"...com toda a empáfia de um semidoutor,..." = "...com toda a soberba de ser quase um médico..."

PENSANDO COM OS SEUS BOTÕES: filosofando consigo mesmo, concluindo uma ideia
"...já está pensando com os seus botões: ela não será bonita!" = "pensou e chegou à conclusão que ela não será uma mulher bonita!"

SALOIA: pessoa sem muita educação
"...o toque inqualificável da viola desafinada da rude saloia." = "..o som sofrível que sai da viola tocada pelos que não aprenderam direito a tocar instrumento."

Página 35:

EMBALSAMADO: impregnado de aromas
"Quem respirou o ar embalsamado dos jardins,..." = "Quem respirou o ar impregnado de aromas dos jardins,..."

EFLÚVIOS: perfume
"...os eflúvios da angélica,..." = "o perfume que sai da flor chamada angélica,..."

MIASMAS: exalação venenosa
"...atmosfera grave e carregada de miasmas de um hospital." = "o ar pesado e cheio de exalações venenosas de um hospital."

ESCOVADOS: repreendedor
"...a ver os olhos pardos e escovados ali do meu amigo Leopoldo,..." = "ter que encarar o olhar frio e repreendedor do meu amigo Leopoldo,..."

TABOCA: taquara, bambu
"...a voz de taboca rachada..." = "...a voz de taquara rachada..."

DESDITA: desventura
"Por desdita dele..." = "Por falta de sorte dele..."

TRANSES: agonia, aflição
"...quem sabe os transes por que passariam os pés..." = "...quem sabe os sofrimentos por que passariam os pés..."

Página 36:

DITOSA: afortunada
"...se me fosse dado conhecer a ditosa mortal..." = "se me fosse dado conhecer a mulher afortunada..."

Página 37:

PROTÓTIPO: modelo
"...se preza de ser o protótipo da inconstância." = "considera-se um modelo de pessoa inconstante."

PÉTRICA: feita de pedra
"Seu coração é pétrica abóbada de teatro,..." = "Seu coração é feito como se das pedras que compõem a abóbada de um teatro,..."

AUBER: Daniel François Esprit Auber foi um compositor francês. Pronuncia-se aubér.
"...que não entende o dizer de Auber,..." = "...que não se sensibiliza com a música composta por Auber,..."

Página 38:

MAÇADA: importunação, encheção
"...mas nada de maçada!". = "...mas nada de usar a palavra para importunar!"

TALHE: aparência
"...vence a segunda na delicadeza do talhe,..." = "...vence a segunda por ter uma aparência delicada,..."

Página 39:

OLVIDEI: esquecer
"...eu olvidei o amor da manhã..." = "...eu esqueci do amor que senti na parte da manhã..."

NARCISO: um personagem mitológico que valorizava-se a si mesmo
"A sua sombra, como Narciso?" = "ama a si mesmo, como Narciso?"

DESMARAIS: era uma loja de perfumarias na Rua do Ouvidor, na cidade do Rio de Janeiro

PRAXITELES: escultor grego que viveu no século 4 A.C.

Página 40:

MANCEBOS: moços, jovens
"Não é novo que mancebos bebam,..." = "Não é novidade que gente jovem beba,..."

FESTIM: pequena festa
"...no meio dos prazeres de um festim,..." = "...durante uma festinha,..."

Página 41:

ESTOUVADA: inconsequente
"Eu a supus estouvada e desagradável." = "Eu a imaginei inconsequente e desagradável."

CAPÍTULO 6 - AUGUSTO COM SEUS AMORES

Página 42:

KEBLERC: um personagem do romance, citado como sendo "alemão" e que gosta de tomar um pilequinho

BORLA E CAPELO: aquele chapeuzinho típico de se usar em formatura mas aqui no texto significa uma pessoa que domina muito um assunto
"Era uma doutora de  borda e capelo..." = "Era bem conhecedora..."

AMATÓRIAS: relativo ao amor
"Era uma doutora de borda e capelo em todas as ciências amatórias;..." = "Era bem conhecedora dos assuntos do amor;..."

Página 43:

ENGAJADOS: ocupados
"Augusto viu de repente todos os braços engajados." = "Augusto viu de repente que ninguém queria ser o acompanhante dele."

REQUESTANDO-AS: galantear
"...tornando-se difíceis, vê-lo requestando-as;..." = "...se faziam de difíceis para incitar Augusto a lhes dirigir galanteios;..."

CAPOEIRA: indivíduo criminoso
"...aquele capoeira do amor,..." = "...aquele indivíduo que atenta contra o amor,..."

CARREIRA: corrida
"...pezinho sempre pronto para a carreira;..." = "...pezinho sempre disposto a dar uma corrida;..."


EPIGRAMAS: zombarias
"...de cada ação que percebia tirava motivo para seus epigramas;..." = "...ao perceber o que os outros faziam começava a fazer zombarias;..."

Página 44:


VELHACARIA: esperteza
"..o que há é muita velhacaria;..." = "...o que você faz é dar uma de esperto;..."

SEMBLANTE: aparência
"O seu semblante?" = "A sua aparência?"