O que você achou desta postagem?

sexta-feira, 23 de março de 2012

Gay é o que dá a bunda

"_ Eu não dou o cú, só como!" foi o que o cara me disse, cortando a minha vez de meter também. Todo gay que se preza dá a bunda mas tem gays que são ativos e não querem dar de jeito nenhum. Gay é mais sortudo que o hétero porque tem as possibilidades de comer e de dar. Ai vem o gay ativo pra agir igualzinho ao hétero, comportando-se somente como comedor.


Eu não estou falando daquele gay que prefere ser ativo, mas de vez em quando ele até que dá a bunda. Nem estou falando daquela bicha complicada que não consegue relaxar e se permitir ter prazer anal. Só gays muito resolvidos fazem sexo anal, os gays complicados não conseguem dar uma solução a "n" problemas psicológicos que os assustam e os impedem de dar.


Eu não transo com caras que não são gays e prefiro caras gays com jeito masculino, nada contra os afeminados, mas o cara gay ativo que não assume um papel feminino de jeito nenhum numa relação sexual não é meu tipo. Não me acostumo com o tipo de cara que tem que mostrar sempre seu lado másculo, dominante.

video

Afinal, como eu disse, gosto de transar com gay e não com um quase hétero. Eu sei que ele (o cara que me comeu e não quis dar) está imerso numa sociedade em que os homens vivem o seu papel de metedor. Assim aconteceu com o seu pai dele, o irmão dele, seu colega de trabalho, os conhecidos do futebol etc.


Neste ambiente heterossexual machista o gay aprende que dar a bunda é coisa de viado, é algo desonesto, feio, reprovável, humilhante. Como consequência o gay assume que o papel de gay ativo é algo bom enquanto que o papel de gay passivo é algo mal. Ainda isso não é tudo, porque tem caras que no espelhamento do ambiente hétero vão muito além e dizem pra si mesmo e para os outros que nem gay são, afinal gay é o que dá a bunda.

video

Nós gays estamos numa sociedade na qual homens e mulheres podem andar de mãos dadas, se abraçar e beijar na rua. Quando vemos os héteros na rua a gente logo sabe quem é que faz o papel masculino e quem faz o papel feminino. De forma inconsciente nós gays trasladamos essa realidade para as nossas vidas, isto é, admitimos que ente nós alguém é o ativo e alguém é o passivo.

video

Embora a natureza nos deu, a nós gays, ambas as possibilidades, de ser tanto ativo quanto passivo, podendo tanto comer ou dar a bunda, somos induzidos a admitir que o que acontece entre os héteros tem que acontecer também conosco. De modo que, desde cedo, desde quando iniciamos a nossa vida sexual, temos que nos perguntar se seremos ativos ou passivos, ou ambos.

video

Porque o estereótipo hétero está tão fortemente colocado em nossas vidas que achamos normal que tem que ser assim. Dividimos tudo entre quem come e quem dá e ficamos iguais aos héteros. E a partir daí começamos a criar uma disputa de poder com os demais gays, nos aproximando de quem é ativo (se acreditamos ser passivo) ou nos aproximamos de quem é passivo (se acreditamos ser ativo).


Puxa vida, no motel eu mostrei pra você que eu gostava de você, deixei você ter prazer e você não me deixou te comer? Você quer ser sempre o "homem"? Já eu fui o seu passivo e você não estava afim de mudar o meu status menor, não deixou eu penetrar você, eu fui a "mulherzinha" da relação. Sim, porque entendendo a sua cabeça eu não era homem como você, se eu tivesse te comido eu me equipararia a você. Isso você não permite acontecer, comigo ou com qualquer outro, não é mesmo?

video

Queria tanto saber por qual razão você prefere ser somente ativo, e gostaria que você soubesse a razão porque eu nem sempre quero ser passivo. Sim, eu sei que tem muitos gays que são apenas ativos. E sei que muitos gays, acho que eu sou um deles, que não tem uma preferência determinada. Se aparecer um ativo, eu dou, se aparecer um passivo eu como. É o que chamam de gay versátil.


Eu sei, cada um escolhe fazer aquilo que lhe dá mais prazer e por aí escolhe estar na condição de ativo ou de passivo na transa. O que me chateou foi que ele, o cara que foi comigo pra cama, desqualificou-me por ser passivo como se isso me fizesse ser feminino. Eu não me acho feminino porque tem uma pica no meu cú, eu penso é que estou comendo o pau do cara com o meu cú, eu é que sou o comedor, o comedor de pica. 


Eu acho que não é porque o gay está fazendo passivo ele é menos masculino. Um ativo, no meu entender, não é mais masculino que um passivo. Eu respeitei o cara e não reclamei ou me zanguei com ele, mas fiquei incomodado com o bloqueio da sexualidade dele. Sai com ele do motel, nos despedimos e quando cheguei em casa eu pensei, vou falar a respeito no meu blog.


Alguém pode entender que eu seja um homossexual que passa uma semana, ou um mês ou um ano ou dois ou três anos ou mais dando e bancando a passivona, depois troque para ser ativo? Será que eu perdi masculinidade no tempo que eu dava a bunda? Ou quando virei fodedor, eu fiquei mais masculino?


Pode ser que aquele ativão, e tantos outros, já tenha feito de tudo na sua vida; dado a bunda, feito trenzinho, troca-troca entre outras coisas, e comigo não quis fazer. Simplesmente porque agora ele não gosta mais de fazer. Eu acho quedar a bunda é um ato gay, mas não caracteriza o gay. Ou seja, ainda dando a bunda um cara pode ser mais macho do que o ativo que tá arregaçando o seu cú. Se alguém acha que vai ser só ativo pra se achar macho, fica aí uma questão a se pensar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário