O que você achou desta postagem?

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Alterando o pênis: prepúcio I

Enquanto nos países latinos da América e da Europa a prática da circuncisão é uma exceção, nos Estados Unidos é comum. Nos filmes de pornô de Hollywood nota-se claramente 100% "cut penises" (pênis sem a pele do prepúcio) enquanto que filmes vindos da Europa geralmente os homens são "uncut" (pênis com a pele do prepúcio).


Nem sempre é feita uma operação de circuncisão que leva a poucas cicatrizes ou a poucas supressões das veias. Alguns homens recorrem a recomposição da pele do prepúcio usando alguns artefatos, como o TLC-X TUGGER. O preço nem é tanto (80 dólares), o que custa é a perseverança e a disciplina que requer o seu uso.


A restauração do prepúcio pode ser (supostamente) feita com outro aparelho, o  ADI'S SUPERCANISTER. O método é semelhante: puxar a pele logo após a coroa para cima da cabeça do pênis. A tensão que o aparelho faz vai provocar a criação de novas células de pele. Este aparelho está na faixa dos 50 dólares.


A circuncisão é feita rapidinho (veja o vídeo abaixo) mas a restauração dá um trabalhão. Mas depois que o cara recompõe a pele é só alegria, meio complicado mas possível. Quando se tem um sonho, vale a pena todo esforço para concretizá-lo.


Outro dispositivo é o T-Tape, que é o chamado Método da fita. Aplica-se um tipo de esparadrapo no pênis, tomando-se certos cuidados de dobrar e colar. Você mesmo pode aprender a fazer o T-Tape seguindo as orientações mostradas em RESTORING WITH  T-TAPE - A GRAPHIC GUIDE.

video
ESTE VÍDEO NÃO TEM ÁUDIO

Pode-se fazer em casa um dispositivo de restauração do prepúcio usando materiais facilmente encontrados como um tubo plástico e fita adesiva, veja o vídeo a seguir. Para permitir a ventilação compre curativo microporoso NEXCARE




Já o Método DTR usa elástico para provocar a tensão necessária para acontecer a mitose (reprodução de novas células). Não é preciso usar alças ou pesos, nem fita adesiva. Para saber mais vá em FORESKIN RESTORE


O vídeo a seguir mostra outro dispositivo para criar o prepúcio. FRED não é um método, mas um acrônimo para Foreskin Residue Enables Diseases, ou seja, "prepúcio cria resíduos que levam às doenças". Esta é a principal razão levantada para a retirada do prepúcio, a crença que o prepúcio ao encobrir a glande propicia a proliferação de germes na região, que podem levar à doenças.


Não acredito que alguém descuide da limpeza do esmegma se é só puxar a pela na direção da base do pau e lavar durante o banho. Definitivamente não é o caso de operar o prepúcio só por conta da questão da higiene. Com ou sem prepúcio deve-ser tomar banho no corpo todo, inclusive no bilau.


MEGA-TRAC é um outro dispositivo que combina bomba de vácuo com pesos. Geralmente quem usa bomba de vácuo sabe que tem que rapar os pelos da região pubiana senão a bomba não adere à pele, mas Mega-trac não necessita que se raspe/corte os pelos. De todos os métodos que mostrei esse aparelho é o mais caro, uns 250 dólares. 


SITUAÇÃO INICIAL

USANDO O MEGA-TRAC

SITUAÇÃO FINAL


Eu acho que é só, fique agora com algo delicioso! Abraços.
















Elegia prepuciana

Esticava a tenra pele
do seu prepúcio
brincava de puxar
movia os bagos
e tinha tanto prazer
no simples fato
de ter o seu prepúcio
naquele ato
que dizia impropérios
aos que põem vetos
ao direito de ter um prepúcio
pois estava certo
que Deus fez o homem por inteiro
e o quer completo.













video






video








video




















video





video



Visite o blog FORESKIN para ver mais imagens de cacetes com pele!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

O pecado principal de Konstantin

Depois de ler sobre Konstantin Konstantinovich Romanov, ou simplesmente "KR", me surpreendi que esse grande homem tenha escrito em seu diário que ele considerava o seu apetite por homem como sendo o seu principal pecado.



Ele não era homossexual e sim bissexual. Um nobre que tinha um destacado papel na sociedade russa na segunda metade do século XIX, porém vivia atormentado pelos seus "pecados" (fazer sexo com homens). Nesta foto abaixo  ele está em uniforme do Regimento Izmailovsky, um grupo de elite da Guarda Imperial.



Foi na Guarda Imperial que ele não conseguiu refrear seus instintos paralelamente ao exercício de suas atividades militares, nas quais serviu com distinção. Ele casou-se em 1884 com uma nobre da Alemanha, Princesa Elisabeth de Saxe-Altenburg (foto abaixo), já sabedor de sua inclinação por homens.



KR e Elisabeth se conheceram em 1882, KR tinha então 22 anos. Viveram juntos por mais de 30 anos, sendo que durante uns 20 anos nasceram todos os seus 9 filhos. Enquanto ele tinha uma intensa prática homossexual, continuou amando sua esposa e sendo um excelente pai. Tentava resistir à atração que homens lhe ensejavam, mas às vezes não conseguia resistir.



Ele era um frequentador habitual de bordéis masculinos escamoteados de casas de banho, o que seria hoje as nossas saunas gays. Em 1904 tornou-se amante de um jovem atraente, aliás, o único amante do qual a história cuidou de registrar o nome: Yatsko. Há relatos de outros nobres, isso não era incomum na época, frequentassem esses lugares.



Por ser da família imperial (os Romanov) era esperado que ele se casasse e tivesse filhos, foi o que fez. Contudo, conseguiu dar vazão à sua bissexualidade. É certo que ele era muito dedicado à sua esposa, e mantinha relacionamentos extraconjugais (com mulheres) de vez em quando. Quem o via, o considerava um homem feliz. 



Eu acho que ele entendeu a sua natureza humana, não fugiu de ser o que ele era. No blog há, na parte inferior, um box para postagem de comentários. Um dos meus queridos leitores enviou um comentário dizendo que ele gostava de homens e gostava de mulher, e não se considerava um homossexual por transar com homens.



Entendo que seja um caso semelhante ao do Grão-Duque Constantine Constantinovich da Russia. Quero dizer, há homens que transam com homens eventualmente, fazem somente mais uma prática sexual, só isso. Então, tudo bem, estamos numa época na qual o que é mais importante é o cara ser feliz.



Ele morreu em 1915, quando havia anos que ele  já estava paralisado da cintura para baixo. A sua amante e seus filhos ilegítimos moravam na mesma propriedade, e sua esposa Elisabeth não permitiu o acesso deles para visitar KR. Ele chegou a brigar e até agredir fisicamente Elisabeth para fazê-la permitir a última visita, mas não adiantou nada.



Eu senti um profundo respeito por KR, pela grande pessoa que ele foi, nobre não só por sua afiliação à família imperial, mas nobre por seus atos e resultados. Se um dia eu me apaixonar por um bissexual, coisa que eu até há pouco pensava impossível, acho que entenderia o que se passa na cabeça de um bissexual após ter lido sobre a vida de KR.



Konstantin Nikolayevich (ou simplesmente KR), nasceu em São Petersburgo em 9 de setembro de 1827, no Palácio Constantine. Eu nasci em 8 de setembro. KR e eu somos do signo de Virgem. Imagino-o com as qualidades de quem nasce virginiano, perfeccionista e focado na objetividade e clareza (tanto física quanto mental).


PALÁCIO CONSTANTINE


Ele era um dos dois filhos homens do Tzar (Imperador) Nicholas I da Rússia, sendo que o seu irmão chamava-se Alexander. KR vivia em Saint Petersburg que era a capital da Rússia (atualmente é Moscou), Rússia que então tinha cerca de uns 67 milhões de habitantes. Já em 1843, século XIX o Tzar Nicolau I, pai de KR, fez uma política pública de inspeção de bordéis e hospitalização compulsória de prostitutas consideradas infectadas.


SAINT PETERSBURG NO FINAL DO SÉCULO XIX


Os bordéis masculinos eram "casas de banho". Essas políticas austeras foram abolidas após a revolução de 1917 que instituiu o comunismo. Os bolcheviques consideravam que a prostituição acabaria por si mesma uma vez que a prostituição era um sintoma do capitalismo e que os quase 170 milhões de habitantes (em 1917) não iriam mais ver a prostituição. Não aconteceu, claro...


RESSURREIÇÃO, LIVRO DE LEON TOLSTOI


Frequentar bordéis e casas de banho era muito arriscado na Rússia imperial, estamos falando da segunda metade do século XIX e começo do século XX. Alguns estabelecimentos tinham permissão, via regulamentação, de funcionar. Há um romance de León Tolstoy chamado RESSURREIÇÃO que fala (entre outras coisas) da "prostituição legal" nessa época na Rússia.


Há muita publicação disponível na Internet sobre KR e o que escrevi não pretende ser uma verdade absoluta sobre a pessoa dele já que foram muitas fontes pesquisadas por mim e nem sempre são confiáveis (Internet tem de tudo...). Gostaria que você me corrigisse caso saiba a algo mais perto do verossímel e eu prontamente corrigirei o conteúdo desta postagem. Um abraço.