sábado, 16 de julho de 2011

Quando a casa caiu

Arrimo de família, QQ isso? Significa uma pessoa que sustenta a família, muitas vezes sendo a única que trabalha, tornando-se a tábua de salvação dos familiares. Foi o meu caso (foi, não é mais) e acredito que é o caso de muitos gays. Não sei por que razão gay cai geralmente bem no papel de arrimo de família.


Esta é uma webradio que geralmente escuto enquanto escrevo este blog. Para parar a música clique sobre o sinal de duas barras verticais. É uma rádio de Valdivia, Chile (pronuncia-se baldívia), capital da província de Valdivia.


Curiosidades: na época colonial a cidade era a mais fortificada em todo o Reino da Espanha e em 1960 houve o mais forte terremoto já ocorrido no mundo, foi no Chile, e danificou muito a cidade. Inclusive a ponte sobre o mar desabou e até hoje prejudica a navegação.


Conheci um cara na sauna no sábado passado, portanto, faz uma semana. Ele me disse que tem "duas crianças" e eu pensei que ele era ou foi casado com mulher e que cuidava dos seus filhos, mas não era esse o caso. Conversa vai, conversa vem, desce mais cerveja, e ele me contou que as crianças eram seus pais idosos, ambos com o Mal de Alzheimer (pronuncia-se alzáimer).


Cara, perto da situação dele eu era um arrimo de família "light", pois por mais dificuldades emocionais e financeiras que eu passei, enquanto fui arrimo, não se compara com o que esse cara passou, e passa.


O Mal de Alzheimer é uma doença degenerativa no qual a pessoa idosa passa a ter problemas quanto a depender dos outros e passa a cometer atos que podem prejudicá-los, até causar a sua morte involuntariamente, fazendo algo com grande perigo e não ter a consciência disso.


Enfim, esse cara cuida mais da vida do pai e da mãe, do que dele mesmo. Sabe você o que é ter "duas crianças" pra cuidar 24 horas por dia? Marquei tomar umas cervejas com ele neste sábado, à noite. Quero conhecer esse meu novo amigo um pouco mais. Não se trata de um encontro amoroso.


Eu falei pra ele que eu sou casado há 5 anos com meu companheiro lindo maravilhoso. Confesso que na sauna a gente se beijou, não teve nada, só uma forma de demonstrar carinho e proximidade por uma pessoa de grande valor humano que ele é.


Não pense você é o caso da gente ser filho único para ter se tornado arrimo de família. Não! A minha família e a desse cara é composta de vários irmãos, no mínimo seis. O que nos fez nos tornar arrimo de família foi o fato de sermos gays.


Os demais irmãos tem a original ideia de que eles não podem comprometer a sua vida dedicando-se aos pais e demais irmãos porque tem que namorar, casar, trabalhar, comprar carro. E cuidar dos outros, inclusive financeiramente, é uma furada que eles nem pensar em entrar. Sobra pro irmão gay.


E quando eu decidi viver a minha vida foi um momento em que a casa caiu. Ficou sedimentado que eu estava destinado a ser só (sem homem) e que meu destino era dedicar-me à família. Só que o copo transbordou e conheci um cara que tinha voltado da Itália, abandonou o seminário.


Um bispo de São Paulo tinha descoberto vocação nele e enviado ele pra se tornar padre na Itália. Mas ele não tinha estrutura e voltou pro Brasil e ai a gente se conheceu. E foi o momento no qual rompi com o meu papel de arrimo de família. Disse "chega!" e comecei a namorar ele à sério, pra casar. Imagine o que isso significou: explosão de uma bomba atômica na minha família.


Fui morar junto mas nem chegou a faz um ano terminou, da parte dele. Tenho o maior carinho por ele até hoje. Embora considere que isso já faz parte do passado, foi importante porque marcou o início da minha liberdade. Minha família se arrumou em outro lugar como pode e eu fiquei morando sozinho. Depois fiquei um tempo só, galinhando aqui e ali, ninguém é de ferro, e depois conheci o meu atual companheiro, meu Mahatma (grande alma) que me atura ha ha ha.


Nos casamos em cartório e de tal modo que agora não tem volta na situação de eu ser arrimo de família. Foi uma época dramática, mas necessária. Acho que tanto eu quanto minha família aprendemos algo com o ocorrido. Atualmente eu ando meio afastado da minha família, fico a maior parte do tempo envolvido com minha casa (le rê, le rê, dá-lhe Isaura!!!) e com minha vida de casado. Cara, vale a pena, sim, você ter espaço para decidir a sua própria vida. Família é muito bom, mas tem limites no que cada um pode dar e receber.


Não estou dizendo que deve-se dar um bota-fora na família por causa de homem. Deve-se conciliar o papel de filho e irmão com o de gay. Gay, uma pessoa com sentimentos, com vontades, com sonhos. Nossa, falando em sonho, pra terminar, quero dizer que fico muito satisfeito com a mais nova vitória conseguida por nós gays. Estou falando da possibilidade de CONVERSÃO DA ESCRITURA PÚBLICA DE UNIÃO ESTÁVEL (HOMOAFETIVA) EM CASAMENTO.


O Código Civil em seu artigo 1.726 trata desse assunto e o STF decidiu recentemente fazer cumprir a lei. E importante salientar que se o casal ingressar na Justiça com ação de reconhecimento de união estável em conversão em casamento é, em acordo ao disposto  no artigo 5º da Lei, computado todo o tempo da união. Não se perde, perante a justiça, o tempo de convívio do casal por causa deles se tornarem casados. 


Tenha um dia especial, de orgulho em ser gay! Abraços!

Um comentário:

  1. Adorei.E fiquei agora muito mais feliz por tê-lo conhecido.Com certeza temos muito o que conversar, pois também quero muito conhecer e curtir essa nova pessoa (LINDA POR SINAL ),que apareceu na minha vida . QUE VENHA PRA ACRESCENTAR .Como lhe disse a pouco não sou muito digitalizado por isso quando nos encontrarmos , o que eu espero ser breve , conversamos. BJOS

    ResponderExcluir