quinta-feira, 19 de maio de 2011

De trem até a praia - Parte 1

Belo Horizonte é uma cidade com várias opções turísticas e se você não quer ficar na capital, a uns 100 quilômetros ficam Ouro Preto, Mariana e Congonhas, estas no chamado "Circuito das Cidades Históricas", muito visitadas. Em Minas Gerais, procurando, provavelmente você encontrará algumas cachoeiras e áreas verdes onde pode trilhar e até acampar. Mas eu gosto é de mar, e isto por aqui não tem.



Mineiro, isto é, quem nasce em Minas Gerais, esta parte do Brasil sem litoral, gosta de natureza. Ou é onde tem mato ou onde tem mar, é pra lá que mineiro gosta de ir nas férias. Da minha parte eu gosto é de mar, normalmente tenho duas opções de onde ficar: Cabo Frio e Guarapari. O mar fica a uns 500 quilômetros de Belo Horizonte, tanto o mar de Cabo Frio (no Estado do Rio de Janeiro), quanto Guarapari  (no Estado do Espírito Santo).



Para saber um pouco mais de Cabo Frio leia o artigo publicado em julho de 2008 no Jornal Livre. Eu gosto muito de ir para Guarapari, e costumo fazer um um circuito por Vila Velha e Vitória na direção norte e Iriri, Piúma e Marataízes, na direção sul. O que gosto nas praias do Estado do Espírito Santo é a simplicidade e a simpatia dos nativos, a maioria adora mineiros.



Gostaria de relatar uma viagem  até o litoral, feita de trem. É uma pena que as pessoas prefiram ir de avião ou ônibus, caso não tenham seu próprio veículo, para ir para o mar do Estado do Espírito Santo. A Vale disponibiliza um trem que sai do prédio ao lado da da Estação Central do Metro de Belo Horizonte. 





A duração da viagem é de 12 a 13 horas.Na classe executiva tem ar condicionado e serviço de bordo, inclusive lanche, almoço, jornais e revistas. O destino do trem é a Estação Pedro Nolasco, pertencente também à Vale, situada na cidade de Cariacica, colada em Vila Velha. Nesta estação você encontra muitos taxis e pontos de ônibus pra você pegar e ir para algum hotel ou ir para alguma estação rodoviária ou aeroporto.



Apresentadas as estações de trem de Belo Horizonte (minha partida nessa viagem) e a de Cariacica (meu destino), você vai saber os lugares e os horários que o trem fez na minha última ida para o litoral. Saímos às 7 horas da manhã, eu, meu companheiro e parentes, no total umas 8 pessoas e eu pedi para conhecer o trem. O chefe do trem me permitiu entrar na área restrita, conheci assim quem dirigia o trem e alguns detalhes técnicos.




O trem da Vale passa por 17 municípios no Estado de Minas Gerais e por 6 no Estado do Espírito Santo. No total, então, são 23 municípios atendidos mas a Vale mantém 26 estações, significando que o trem faz 26 paradas. Mas são paradas rápidas, me pareceu de não mais que 10 minutos na que demorou mais. Demora mais dependendo da quantidade de passageiros para sair do trem, ou para entrar. Naquelas estações que não desce ou sobe ninguém, o trem sai rapidinho. 



Logo que sai de Belo Horizonte, o trem passa pelos subúrbios da capital, que não são nem ou pouco bonitos de se ver. No limítrofe de Belo Horizonte com Sabará dá pra ver um viaduto sobre o Rio (poluído) das Velhas, na verdade só as bases de concreto. Poxa, que dinheirão jogado fora! Era pra ser um trecho da Ferrovia do Aço e este viaduto de 350 metros de extensão que permitiria o minério ir para Cubatão/SP, projetado na década de 1970, nunca foi terminado. 



Ai o trem passa por um túnel bem comprido, tudo fica escuro você olhando pela janela.



Ah, nas proximidades deste trecho você pode ver uma lavra da Vale, parece grandiosa a cena, o buraco que fizeram para retirada de minério causa um impacto na gente, grande pra caralho esta mina chamada Gongo Socco! Originalmente a região era explorada por ingleses, era uma mina de ouro. Desta época o que ainda sobrou das construções foi tombado pelo Patrimônio Histórico.



A primeira parada do trem é na Estação "Dois Irmãos" em Barão de Cocais, por volta das 9:05. Você já viu da janela do lado esquerdo do trem vistas maravilhosas de ribeirões serpenteando por fundos de vales e de montanhas, muito mato, mato esse que continua até o Parque do Caraça, que não dá pra ver, lógico, se ele fica atrás das montanhas. O Caraça é da Igreja Católica, lá permite-se turistas, os turistas vão mais pra ver os padres darem comida para os lobos Guará, eles chegam bem perto da gente, muito legal! 



O trem vai passando pelo município de Santa Bárbara e lá pelas 10 horas chega na estação da Vale na cidade de Rio Piracicaba. A vista desta parte da viagem é muito bonita, dá pra ver a cidade lá embaixo e muita mata rodeando o rio. A estação de trem é moderna (e feia), como você reparou na estação de Barão de Cocais. Tudo novo, prático. Que pena, antigamente as estações de trem era verdadeiros monumentos arquitetônicos!



Este Rio Piracicaba vai desaguar no Rio Doce. A cidade tem quase 300 anos de idade, fundada pelo bandeirante João dos Reis Cabral em 1713, e você pode ver parte da Rodovia BR-381 que vai na direção do mar, acho que em Rio Piracicaba fica o trecho mais comprido da BR-381 que dá pra ver pelo trem. 



O trilho do trem passa pertinho do rio. O trem vai seguindo para João Monlevade, chegando lá pelas 10h19. O trem passa sobre a BR-381 antes de chegar na cidade. Você sabia que o trecho da BR-381, também chamada de Vitória-Minas, entre Belo Horizonte e João Monlevade tem caminhão demais, até aqueles caminhões compridos e pesados do tipo "trem", tornando esse trecho um dos mais perigosos de trafegar no Brasil? Se houvessem mais trem para passageiros, como esse trem da Vale com capacidade para 1.600 passageiros, nossas estradas teriam menos carros de passeio nelas, e provavelmente menos acidentes?

A próxima parada do trem é na Estação Desembargador Drumond, no município de Nova Era. A cidade de Itabira, aquela de Carlos Drumond de Andrade, fica uns 36 quilômetros do lado direito do trem (não dá pra ver a cidade).




Você poderá ver algum trem da Vale passando pelo outro trilho, carregado de minério. Algumas locomotivas puxando minério não precisam de maquinista, há um sistema automático por rádio-frequência chamado locotrol e elas se movem por controle remoto. 



Nova Era é uma cidade do chamado "Quadrilátero Ferrífero" e neste trecho o trem passa pelo chamado "Tunelão" que foi construído pela Vale em 1998. O trem passa sobre o Rio Piracicaba perto de Nova Era e vai caminhando em direção à próxima estação, a Estação Antônio Dias, na qual chega às 11h09. 



A Vale foi fundada em 1942 e esta estação "Antônio Dias" foi inaugurada em 1947. É muito simples, você pode ver isto. E as pessoas que moram nas imediações, percebe-se, são gente simples, como geralmente são as pessoas do interior. Quando o trem para nessas pequenas estações acontece de vendedores aproximarem-se do trem para vender doces. Você pode comprar, são uma delícia, mas compre rapidinho porque o trem não demora nada. 



Como os vagões executivos tem janela travada por conta do ar-condicionado, você se quiser comprar doces nas paradas do trem, deve ir para a parte de união dos vagões, tem uma abertura, serve pra fumar cigarro (Larga esse vício!!!) ou pra ver as paisagens. Bom, você já fica ai porque tem muita gente que resolve comprar doce e tumultua o local. Já entregue trocado pros vendedores, não dá muito tempo de trocar uma nota de 50 reais, eihn. Não se preocupe em ser roubado pelos vendedores, eles são gente do bem.



Os comissários de bordo estão o tempo todo na parte executiva e eles vendem revistas e costumam perguntar se você quer reservar almoço. Você pode comer o almoço, uma marmitex, na sua poltrona mesmo ou ir até o vagão restaurante. Vendem refri e salgados, caso não queima almoçar. Eu almocei um tropeiro, é feito em Governador Valadares pela empresa que ganhou a licitação da Vale para cuidar do restaurante, e eu achei uma delícia. Os preços são normais, nada de caro.





Pelas 11h42 o trem já está em Timóteo, a estação chama-se Mário Carvalho (o nome é uma homenagem a um engenheiro da Vale). A estação fica na região do encontro do Rio Piracicaba com o Rio Doce e a partir desse momento você vai avistar o Rio Doce muitas vezes. 



Às 11h59 você chega na Estação Intendente Câmera, na cidade de Ipatinga, bem ao lado da BR-381. Está dando uma fome nessa hora, afinal já são 5 horas de viagem. Tudo bem que a gente levou uns pacotes batata-frita e uns tipo danones da vida, mas comida de sal faz falta, né? Antes do povo todo ir pro vagão restaurante a gente já estava lá, como não tem muito lugar, é melhor ir mais cedo, e lá tem janelões que dão uma bela vista externa.





Tem vezes que dá pra usar o celular, por exemplo, aqui em Ipatinga que é uma cidade maior, mas em muitos trechos o celular não tem sinal. Tome cuidado: o trem não tem tomada para você recarregar celular. Falando em tomar cuidado, fornecem saquinhos para vômito, ficam amarrados no braço da poltrona, mas ainda bem que ninguém precisou no nosso vagão. Com ar condicionado o ar é restrito e cheiro de vômito você já sabe, vai longe se ele cair no chão... 




A próxima parada é em Ipaba-MG, a da foto acima, chegamos nela às 12h18, portanto é bem pertinha da estação de Ipatinga. O nome oficial é Estação Frederico Sellow. Esta estação fica próxima da fábrica da Cenibra (papel e celulose). Parte da Cenibra é japonesa e parte é da Vale. 



Às 12h34 já chega-se à Estação de Pedra Corrida, muito simplezinha. O trem fica parado por 1 minuto! Depois vai passando perto do Rio Doce, fiquei nesta época do ano, fevereiro, com o nível baixo das águas, aparecendo muitos areais no leito do rio, uma dó. A foto abaixo é a parte do Rio Doce na cidade de Periquito.



O trem chega na Estação de Periquito-MG às 13h13. O povo que entra no trem nas estações de Periquito e de Pedra Corrida devem comprar as passagens dentro do trem, nas outras estações o povo já comprou a passagem nas estações. A Estação de Periquito é simples, imagine que foi inaugurada em 1941 e está desse jeito até hoje?! 


A foto abaixo é da Internet mostrando uma chuva ao fundo caindo na margem do Rio Doce, em Governador Valadares. Bem, estamos nos aproximando às 14 horas de "Governador Valadólares". Seguimos por horas o Rio Doce na direção norte e em Governador Valadares o Rio Doce dá uma guinada e caminha para leste, em direção ao mar. O trem vai seguindo a margem do Rio Doce a partir de aqui muito de perto. Você poderá ver os nativos da região, pode ser, pescando no Rio Doce ou pessoas cuidando de suas casinhas, cães latindo para o trem, tudo muito singelo e pacato, um prazer só!




Continuarei o texto numa próxima publicação. Gostaria que lesse, ok?

Nenhum comentário:

Postar um comentário