sábado, 1 de janeiro de 2011

Mijadas

Feliz Ano Novo para todos! Amor, saúde, paz, verdade e tudo mais de bom, é o que desejo de coração para você e todos que fazem parte de seus relacionamentos. Gostaria muito que você fosse feliz! 



Li recentemente no Google Livros uma frase que gostei: a ciência ainda não sabe se alguém nasce gay, mas SER gay com certeza é algo que a pessoa constrói pela vida. Ou seja, não se sabe se alguém já nasce gay mas se sabe que a pessoa pode (ou não) se aceitar e assumir a sua homossexualidade ao longo da sua existência. Os caras gays que se aceitam como gays tem a probabilidade de serem mais felizes mesmo porque vier com sentimentos de repressão e medo não faz nada bem à pessoa e até mesmo às pessoas ao redor dela.


Agora uma piada que está em Portugal é porreiro, um blog contendo textos e imagens engraçados senão curiosos.



Problemas com o apelido PAU...

O Registo Civil de Beja recebeu o seguinte requerimento:

Assunto: Problemas com o apelido...

Beja, 5 de Junho de 2008

Eu, Maria José Pau, gostaria de saber da possibilidade de se abolir o sobrenome Pau do meu nome, já que a presença do Pau me tem deixado embaraçada em várias situações.

Desde já agradeço a atenção despendida.

Peço deferimento,

Maria José Pau

Em resposta, recebeu a seguinte mensagem:

Cara Senhora Pau:

Sobre a sua solicitação da remoção do Pau, gostaríamos de lhe dizer que a nova legislação permite a remoção do Pau, mas o processo é complicado e moroso.

Se o Pau tiver sido adquirido após o casamento, a remoção é mais fácil, pois, afinal de contas, ninguém é obrigado a usar o Pau do cônjuge se não quiser.

Se o Pau for do seu pai, torna-se mais difícil, pois o Pau a que nos referimos é de família e tem sido utilizado há várias gerações.

Se a senhora tiver irmãos ou irmãs, a remoção do Pau torná-la-ia diferente do resto da família.

Cortar o Pau do seu pai pode ser algo muito desagradável para ele.

Outro senão, está no facto do seu nome conter apenas nomes próprios, e poderá ficar esquisito, caso não haja nada para colocar no lugar do Pau.

Isto sem mencionar que as pessoas estranharão muito ao saber que a senhora não possui mais o Pau do seu marido.

Uma opção viável seria a troca da ordem dos nomes.

Se a senhora colocar o Pau na frente da Maria e atrás do José, o Pau pode ser escondido, pois poderia assinar o seu nome como "Maria P. José".

A nossa opinião é a de que o preconceito contra este nome já acabou há muito tempo e visto que a senhora já usou o Pau do seu marido por tanto tempo, não custa nada usá-lo um pouco mais.

Eu mesmo possuo Pau, sempre o usei e muito poucas vezes o Pau me causou embaraços.

Atenciosamente,

Bernardo Romeu Pau Grosso

Registo Civil de Beja 15/6/2008



Eu uma vez, isso nos anos 1990, peguei um taxi e papo vai, papo vem, cantei o motorista. Como estava indo da boite para casa, o motorista já está acostumado a receber cantada, já que ele é gato, por isso eu cantei ele, normalmente nunca dou "liberdades", mas era uma época que eu estava muito só e carente.



Ele parou comigo para beber umas cervejas no caminho, estavam abertos pois eu morava num bairro perto da Avenida do Contorno. Se você não é de Belo Horizonte, é a avenida que contorno a região central. Depois da segunda garrafa ele disse que gostava de cheirar, eu disse tudo bem, vamos pro taxi eu faço um boquete e te dou o dinheiro para você comprar.


Ele sabia onde comprar, numa favela, eu quase tive um surto, entrar na vaela de madrugada para comprar cocaína? Pois foi o que aconteceu, então se realizou a minha segunda loucura naquela noite fria. Ele cheirou e depois eu fiz outro boquete nele e ai ele pediu para parar que ele queria mijar. 



Ele então ficou sentado no banco do motorista mesmo e eu falei para ele que ia dar a volta e quando cheguei à porta aberta do lado do motorista ele já estava mijando.

 
Sentado no banco do motorista e com os pés abertos apoiados na calçada e o mijo esguinchando entre as pernas abertas dele. Eu me abaixei e eu coloquei a minha cara na direção do mijo. O mijo quente dele acertou minha cara, escorreu pela minha camiseta, eu até bebi um pouco já que abri a boca e o mijo ia onde queria na minha cara.


Ai tem mais um caso com mijada, aconteceu foi comigo, imagine! Eu estava de manhã na calçada da marginal da Via Expressa, local próprio para fazer caminhadas e cooper, bem ensolarado aquele dia, eu de boné e óculos escuro. De short mais pra curto e já na minha terceira ida. E olha que é um passeio de cimento com uns mil metros, então eu tinha corrido uns 2 km. 



Ai eu olho para a pista de rolagem da Via expressa e vinha devagarzinhoum ciclista com aquela roupa colante e com o pinto pra fora. Ele ia pedalando devagar e mijando. Cara, eu até começei a correr mais devagar enquanto ela passava por mim. Ele vinha na direção contrária a mim, por isso eu podia ver ele mijando total. Ele olhou e me viu e lógico percebeu que eu encarava. E continuou mijando até que passou por mim e eu então dei uma olhada por trás até a hora que ele parou de mijar e foi embora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário