terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Voltei a namorar

Inesperadamente recebo um torpedo no celular me convidando a "discutir a relação". Quando ouço ou leio essas palavrinhas eu geralmente me sinto desconfortável porque tudo pode ser dito e sentido por cada parte e levar a caminhos cheios de surpresa, agradáveis ou não.



Dessa vez meu ex-namorado queria após 5 meses de separação conversar comigo para resolver finalmente se a gente continuava ou terminava definitivamente. Eu gostaria muito de ter uma solução pois ficar sem saber que rumo tomar na vida é muito ruim, as coisas interrompidas que requerem uma providência seguram a gente no passado porque o passado parece que quer continuar e não passa, está sempre ali lembrando a gente que algo ficou parado no tempo esperando receber atenção. Em vários momentos do dia a gente volta no tempo para lembrar que aquela situação ainda espera ser resolvida, é como se fosse um nó nos chamando para desatá-lo. Quando menos tomamos a providência de desatar esse nó mais ele nos aperta, nos sufoca.



Nos encontramos em um lugar neutro, isto é, nem na minha casa nem na dele, para conversarmos. Sentamos num banco de praça numa segunda-feira de manhã ensolarada e ouvimos um ao outro o que cada um tinha a dizer. Resolvemos reatar a relação. ´Já tínhamos 5 anos de vida juntos para levar em consideração e toda uma vida pela frente, que em resumo pode-se dizer, vida de aprendizado. Sim, porque conviver com uma pessoa faz a gente aprender muito sobre a vida e principalmente sobre como é a melhor forma de viver. A gente pode viver de qualquer jeito, na verdade a vida passa por nós muito rapidamente, o importante é saber viver a vida.



Depois de conversarmos ele me acompanhou numas compras na cidade e viemos para minha casa. Preparei um xuxu com camarão temperado com uma pimenta com biribiri que eu trouxe de Porto Seguro e depois assistimos um filme no computador. Fomos nos deitar e ficamos só abraçados, revivendo os bons momentos de companheirismo e carinho, sem falarmos nada, somente aproveitando a presença do outro que faltou durante 5 meses. Depois tomamos um café e comemos pão de queijo e ele foi embora. Me descobri que alguma coisa mudou em mim e nele, uma coisa que vai precisar ser melho trabalhada porque definitivamente já não somos mais as mesmas pessoas de antes.



Eu estou feliz de ter o meu relaciomanento com ele restabelecido. Não se trata de sexo, trata-se de companhia, alguém com quem eu posso contar não importa se eu estou sem dinheiro, gripado, triste... sei que nossas vidas junto um do outro independem de aparências, nós nos vemos mais no fundo. Mesmo distantes um do outro sempre há uma ligação, algo de certo e verdadeiro que só encontramos um no outro. Sei que eu sou mesmo um viado traira, mas vou procurar trabalhar melhor minha carência sexual, minha intensa necessidade de sexo. Não é possível que a vida seja só trepar. E não é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário