domingo, 24 de janeiro de 2010

Sonho de uma noite de verão

Embora esse seja um título de uma obra de Shakespeare, não é nada disso que se trata, mas de um sonho meu mesmo na noite de ontem, noite de verão quente em que choveu. Enquanto a chuva caia eu sonhava e, incrivel, me lembrei do sonho logo ao acordar e disse a mim mesmo, vou colocar no meu blog. E agora no final da tarde é que vim escrever e ainda não esqueci o sonho. É o seguinte...



Eu estava acompanhado numa rua de um homem casado, ele sabia que eu era gay e estava me contando parado nós dois em pé numa esquina, sobre o que aconteceu com ele enquanto ele estava na casa da sogra dele outro dia. Eu ouvia ele falar tranquilamente porque já sai com homens casados, digo, homens casados já foram pra cama comigo, e então no sonho não me pareceu estranho um homem casado ficar me contando situações de família.



Ele falou que estava no quintal da casa da sogra numa tardinha, e admirava-se como a sogra deixava todo o quintal ordenado e bem cuidado. Disse-me ele que ficou em pé na porta e olhava o quintal nos fundos da casa até o momento em que seus pensamentos foram interrompidos. A sogra chegou perto dele na porta e tocou no braço dele, fazendo-o sair de seus pensamentos de admiração pelo quintal ter as plantas, o piso, as árvores, tudo, tão bem cuidado.



A sogra olhou para ele e falou "Você gostou do meu quintal?" e ele acenou com a cabeça um sim e nisto a sogra passou por ele e da porta ela se dirigiu até um cesto de bambu que estava num canto. Ela ergueu o cesto, embora fosse já idosa no sonho ela fez isso com tranquilidade e agilidade, e arremessou as folhas secas que estavam guardadas no cesto por todo o quintal ficando tudo impregnado de folhas. Certamente o quintal agora já não parecia tão cuidado e arrumado! Era a própria visão de uma bagunça!



O homem casado nesse momento em que estamos eu e ele em pé na esquina conversando, me disse que ficou muito assustado, ficou mais para admirado do porque a sogra fizera aquilo. Ela tinha tanto cuidado em manter o seu quintal em perfeito estado e agora fez o quintal ficar feio e bagunçado. Por que ela fez aquilo, ele se questionava e eu ouvi isso e não soube dar uma resposta para ele.



O que me passou pela cabeça e que eu temia dizer a ele é que a sogra era velha e devia já estar dando aqueles peripaques doidos que gente velha dá, mas fiquei calado afinal coisas assim não devem ser ditas, além de ser muito ofensivo denegrir a mãe da esposa dele. Só fiz um gesto com os ombros dando a entender não sei, então ele me olhou bem de frente e falou que sabia o motivo. A própria sogra depois de atirar a sujeira disse o porquê ela tinha feito aquilo para ele. Eu já estava muito curioso para saber e senti que meus ouvidos estavam ansiosos para ouvir a explicação. Parecia uma eternidade esperar ele falar o que houve, eu estava muito impaciente para saber logo o que tinha se passado. Afinal, eu não conhecia a sogra e na verdade não conhecia bem o homem casado. Que tipo de gente era aquela que estava no meu sonho?



A sogra dele após sujar o quintal veio em direção à porta e perguntou a ele "E agora, você gosta do meu quintal?" e ele olhou para ela e com respeito respondeu simplesmente "Não, agora eu não gosto do seu quintal!". A sogra então disse a ele "Você não gosta é porque você é um acomodado!" Ele olhou para a sogra que estava ali em pé na porta tão próximo a ele e deve ter parecido para ela que ele estava com cara de quem não estava entendendo nada, ela atirou as folhas do cesto por todo o quintal e depois diz que eu sou acomodado, realmente, eu agora estou entendendo menos ainda, e a sogra continuou a falar porque ela sabia que ele ainda não estava entendendo.



Olhando seriamente para ele a sogra disse "Quando o quintal estava arrumado você gostava mas quanto o quintal está dessarrumado você não gosta. Não é isso mesmo?" Ele mexeu a cabeça para cima e para baixo, afirmando. A sogra continuou "Sim, eu sei que você acha isso. E sei também que você toda vez que vem a minha casa sempre vem até a porta admirar o quintal mas nunca vai até lá no quintal para fazer nada, toda vez você só o admira. Você sabia que o quintal não fica bonito por causa da sua admiração? Você poderia fazer algo com relação ao quintal além de pensar?" O homem casado agora entendeu a "loucura" da sogra em atirar as folhas do por todo o quintal. É muito bom aproveitar a beleza do mundo mas o mundo se torna mais bonito quando nós fazemos alguma coisa por ele.


Nenhum comentário:

Postar um comentário