segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Estou querendo prazer e dor

É o que acontece quando se fica com um cara na cama: prazer e dor. Outras possibilidades existem mas entendo que são variantes destas duas como por exemplo se sentir bem em estar com o cara ou sentir saudades quando ele se vai.



Conheci Luk há uma semana e dei para ele duas vezes, eu gostei e ele gostou, inclusive eu disse que de agora em diante eu daria minha bunda só para ele. Falei que eu trai (outra pessoa que tive relacionamento) anteriormente e que não queria trair mais porque as consequências da traição saíram muito caro para mim. Ele gostou do que ouviu e para ser sincero, eu também gostei do que falei. Porém, na prática, acho muito difícil de mudar hábitos. Ora, trair não é propriamente um hábito porque fiz uma ou duas vezes antes, mas é um precedente perigoso e prejudicial numa relação. Ficou a "cicatriz" e é muito difícil não deixar essa cicatriz se abrir depois que ela aconteceu.



Não gostaria de magoar ninguém que se aproxima de mim e sente-se bem comigo contudo a minha necessidade de sexo causa um "branco" no que eu poderia dizer ser a minha ética. Se houver alguma chance de encontrar um macho e dar para ele, ou pelo menos um boquete caprichado nele, minha ética vai pro saco (pro saco do macho ha ha ha). Você deve estar achando graça nenhuma com minha atitude desrespeitosa com o Luk, por exemplo, já que ele sinceramente ofereceu seu tesão e carinho na minha vida, eu te digo que é como uma droga que estou viciado. Preciso de masturbar todo dia ou fazer sexo com um ativo, às vezes até com passivo, para poder descarregar essas substâncias que meu cérebro precisa.

video

Uma vez eu estava em casa, nessa época eu tinha Internet de diaup e vídeos eu não conseguia ver nenhum por causa da lentidão, era só fotos de homens mesmo, e estava excitado e doido para dar. Isso há uns 10 anos atrás quando banda larga era muito incomum, se é que existia. Eu resolvi sair e ver se achava um macho no bairro, sabia que nesse domingo de manhã uns caras jogavam futebol em um campinho improvisado em um terreno vago. Não eram lá aquelas coisas os caras porque era, me desculpe parecer preconceituoso, a "pobraiada" sem opção de lazer que se reunia lá para se divertir. Cheguei de short curto e uma T-shirt sem manga que eu mesmo cortei, de chinelo, isso porque se me roubassem eu não perderia nada. Só estava com uma nota de 10 reais só para pagar uma cerveja e umas duas camisinhas, mais nada no bolso de trás do short.



Fiquei na lateral maior do campinho e fiquei vendo a porcaria de jogo, na verdade fiquei vendo qual dos jogadores era mais interessante e que poderia ser a bola da vez da fudeção que eu tanto queria. Realmente eu paguei o maior mico porque só tinha porcaria, nenhum se salvava. Pensei comigo, vou embora e quando estou saindo passando por uma trilha de mata entre o campinho e a rua, um trenho de uns 100 metros, um cara passou por mim na trilha e me encarou. Eu olhei fixamente como ele fez, mas segui em frente, só que com passo mais devagar. Então parei disfarçando que ia mijar e o cara, devia ter uns 20 anos de idade, branquinho, magrinho, parou ao meu lado e ficou por ali. Eu dei aquela olhada nele de confirmação que ele servia para transar. Pensei que ia dar para ele mas quando falei para ele me seguir pelo mato ele respondeu e percebi que ele era mais viado que eu, mas tem viado (desculpe parecer preconceituoso, mas lembre-se que eu sou viado tá?) que chega até a ser não tão masculino mas que mete admiravelmente, então acreditei que ele tava a fim de me comer e fui na frente no mato e ele me seguindo.



Quando já estava mais no meio da mata onde nem dava para ouvir mais o barulho do jogo ou da rua eu parei e me virei, meu pau já estava duro só de pensar que eu ia tirar o atraso. Só ai eu reparei mais direito no cara, ele tinha no máximo uns 1m70 de altura e estava de moleton e camiseta e tênis. Passei a mão na mala dele e ele então me falou que estava a fim de dar. Caralho! Eu pensei que ele ia me comer e agora eu estou doido para gozar vou ter que comer ele, mas tudo bem, estou tão cheio de tesão e ele tem um corpo legal, quando ele tirou a camiseta e abaixou o moletom e a cueca confirmei que valia a pena transar agora. Pus a minha mão na cabeça dele e empurrei para baixo e apertei a cara dele no meu short para ele sentir a minha pica de 18cm dura e mamar ela. Foi o que ele fez, e gostou, ficou mamando e eu me apoiei num tronco de uma árvore e fiquei só apreciando o serviço dele.



Meu pau já estava pronto pra partir pra outras emoções e eu pedi pra comer ele agora, ele disse tudo bem e se virou. Achei melhor comer ele deitado e peguei a camiseta dele e coloquei no chão para ele deitar com a bunda virada para cima, fui ajeitando ele e quando ele estava deitado inclusive com as pernas entreabertas eu me abaixei, com meu short nas canelas e fiquei deitado por cima dele com as pernas dele abertas e eu no meio, encaixando o pau no cu dele. Antes de me abaixar já tinha colocado a camisinha e dado uma cuspida boa, agora era só ir enfiando. Cara, que delícia, fazia tempo que eu não comia um cu, achei uma sensação maravilhosa eu que sou mais passivo que ativo, comendo o cara e ele gemendo e dizendo para fuder ele, e obedeci, fudi ele como um ativo me fode, ou melhor, tentando foder ele como um ativo me fode, porque eu acho que eu nunca vou fuder tão bem como os meus machos.



Bombei na bunda dele segurando para não gozar, ele gemia e devia estar já sentindo prazer e dor junto porque eu estava atolando e tirando a vara totalmente do cu dele e atolando e tirando de novo, várias vezes. Eu estava gostando e não ia gozar logo, por mais tesão que eu estava, acho porque eu estava comendo um passivo, quando estou dando para um ativão eu logo fico a ponto de gozar e tenho que me segurar para não interromper a foda do ativo, mas agora eu não ia gozar e ele já queria parar. Então parei de trepar, me levantei e ele também, ai pedi para ele bater uma pra mim. Eu tirei a camisinha e ele bateu e eu gozei e depois nos vestimos e saímos do mato, sendo que eu fui pra rua e ele voltou pro campinho. Fiquei a meio caminho do meu tesão, por isso chegando em casa eu bati outra imaginando um caralhudo me comendo, porque orgasmo mesmo eu tenho é com um macho ativo, por mais que gozasse no mato com aquele cara nunca seria a ejaculada gostosa que faço quando estou com um macho de verdade.



Se eu estou com um cara procuro que a transa seja boa para mim e para ele, se eu quero só eu ter prazer é melhor eu masturbar sozinho em casa. Junto de outra pessoa é preciso considerar que os dois estão transando, não é só eu transando ou só ele transando, cada um querendo ter o seu prazer, não se trata disso. Numa transa os dois procurando que o outro tenha o seu prazer é muito melhor, contratiamente a situação de que cada um queira lear vantagem em ter o seu rpazer e que o outro se dane. Com o passivo que comi eu procurei que ele se sentissse bem comido mesmo ser ativo não é a minha praia. Ele nunca imaginaria que eu sou 90% passivo e 10% passivo afinal ele teve o prazer que procurava e isso é o que importa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário